Complicações

Complicações table
ComplicaçãoPeríodo de ocorrênciaProbabilidade

cor pulmonale

longo prazoalta

O cor pulmonale é a insuficiência cardíaca do lado direito resultante de DPOC de longa duração. É causada por hipóxia crônica e subsequente vasoconstrição na vasculatura pulmonar que causa hipertensão pulmonar e insuficiência cardíaca no lado direito.

Veias jugulares ingurgitadas, hiperfonese da segunda bulha no foco pulmonar (P2), edema no membro inferior e hepatomegalia são sinais de cor pulmonale.

A oxigenoterapia contínua é a base da terapia. A terapia para DPOC deve ser otimizada. O uso criterioso de diuréticos é necessário.[184]

câncer pulmonar

longo prazoMédias

A DPOC é um fator de risco para câncer de pulmão independentemente da exposição ao tabaco. Um estudo de coorte de base populacional constatou que, em comparação com pessoas que nunca fumaram e que não têm DPOC, as razões de dano totalmente ajustadas para câncer de pulmão em pessoas que nunca fumaram e que têm DPOC, fumantes sem DPOC e pessoas que nunca fumaram e que têm DPOC foram de 2.67, 1.97 e 6.19, respectivamente.[187]

pneumonia recorrente

variávelalta

A pneumonia recorrente é uma complicação comum da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e uma causa frequente de exacerbação da DPOC. Pode ser causada por uma infecção viral ou bacteriana.

Danos crônicos nas vias aéreas e nos pulmões, inflamação, função ciliar comprometida e colonização bacteriana são prováveis causa do aumento de vulnerabilidade a infecções. O uso em longo prazo de corticosteroides inalatórios também está associado ao aumento do risco de pneumonia em pacientes com DPOC.[181][182]

O uso da antibioticoterapia demonstrou alguns benefícios.[183] O tempo usual de tratamento é em torno de 7 a 14 dias. Cobertura apropriada para Haemophilus influenzae e Streptococcus pneumoniae é obrigatória. É altamente recomendada a vacinação para todos os pacientes com DPOC.

depressão

variávelalta

A depressão é uma consequência comum da DPOC. Se houver qualquer mudança de humor, será necessário fazer uma avaliação psiquiátrica.

pneumotórax

variávelMédias

Ocorre devido aos danos no parênquima pulmonar com formação e ruptura de bolhas subpleurais. O pneumotórax espontâneo é muito comum com tosse grave crônica ou trauma torácico e oferece risco de vida.

São necessários altos níveis de suspeita para obter o diagnóstico. A radiografia torácica ou a tomografia computadorizada (TC) do tórax confirmam o diagnóstico. com.bmj.content.model.Caption@65e2b302[Figure caption and citation for the preceding image starts]: TC torácica: alterações na doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) grave com pneumotórax direitoDo acervo de Manoochehr Abadian Sharifabad, MD [Citation ends].

O manejo conservador pode ser suficiente em alguns casos. Em casos graves, a inserção do dreno torácico é necessária para prevenir o pneumotórax hipertensivo e a instabilidade hemodinâmica. Se houver pneumotórax recorrente, intervenções cirúrgicas como pleurodese ou bulectomia via toracoscopia videoassistida são necessárias.

insuficiência respiratória

variávelMédias

Um estudo com um grande número de pacientes com DPOC e insuficiência respiratória aguda relatou mortalidade intra-hospitalar de 17% a 49%.[180] A terapia inclui ventilação não invasiva com pressão positiva e/ou ventilação mecânica.

anemia

variávelMédias

A anemia é mais prevalente do que se pensava, afetando quase 25% dos pacientes com DPOC.[185] Um hematócrito baixo indica prognóstico desfavorável nos pacientes que recebem tratamento com oxigênio em longo prazo.[186]

policitemia

variávelMédias

Pode-se desenvolver policitemia secundária na presença de hipoxemia arterial, sobretudo em pacientes que continuam fumando. Ela pode ser identificada pelo hematócrito >55%. Muitas vezes esses pacientes requerem suplementação de oxigênio em casa.

O uso deste conteúdo está sujeito ao nosso aviso legal