Rastreamento

Não existem dados que mostrem de forma conclusiva que o rastreamento por espirometria seja eficaz no direcionamento das decisões de manejo ou na melhora dos desfechos da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) em pacientes assintomáticos.[39] Entretanto, se a DPOC for diagnosticada em um estágio precoce e os fatores de risco forem eliminados, a taxa de declínio nas funções pulmonares irá diminuir drasticamente.[40]

As diretrizes do Global Initiative for Chronic Obstructive Lung Disease (GOLD) defendem a busca ativa dos casos com a realização de espirometria em pacientes com sintomas e/ou fatores de risco para DPOC.[1] As diretrizes do Reino Unido recomendam a espirometria em todos os pacientes com 35 anos ou mais, fumantes atuais ou ex-fumantes, com tosse crônica, para detectar casos em estágio inicial. Os médicos também devem considerar a realização do rastreamento por espirometria em todos os pacientes com achados compatíveis com enfisema na radiografia torácica ou na tomografia computadorizada do tórax.[2] Uma disfunção pulmonar significativa pode estar presente em fumantes assintomáticos.

O uso deste conteúdo está sujeito ao nosso aviso legal