Etiologia

O tabagismo é de longe o principal fator de risco para doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Ele é responsável por 40% a 70% dos casos de DPOC e exerce seus efeitos causando uma reação inflamatória, disfunção ciliar e lesão oxidativa.[9] Poluição do ar, queima de combustíveis de biomassa em ambientes fechados e exposição ocupacional à poeira, agentes químicos e fumaças são outras etiologias. O estresse oxidativo e o desequilíbrio das proteases e antiproteases também são fatores importantes na patogênese da DPOC, especialmente nos pacientes com deficiência de alfa 1-antitripsina.[1]

Fisiopatologia

Uma característica da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) é inflamação crônica que afeta as vias aéreas centrais e periféricas, o parênquima pulmonar, os alvéolos e a vasculatura pulmonar. Lesões e reparos repetidos causam alterações estruturais e fisiológicas. As alterações inflamatórias e estruturais no pulmão aumentam com a gravidade da doença e persistem após o abandono do hábito de fumar.[1]

Os principais componentes dessas mudanças são o estreitamento e o remodelamento das vias aéreas, o maior número de células caliciformes, o aumento das glândulas mucossecretoras das vias aéreas centrais, a perda alveolar e, por fim, alterações no leito vascular que causam hipertensão pulmonar.

As evidências sugerem que a resposta do hospedeiro aos estímulos inalatórios geram a reação inflamatória responsável pelas alterações nas vias aéreas, nos alvéolos e nos vasos sanguíneos pulmonares. Os macrófagos, neutrófilos e leucócitos ativos são as células centrais nesse processo. O estresse oxidativo e o excesso de protease aumentam os efeitos da inflamação crônica.[1] O remodelamento das vias aéreas causa espessamento do epitélio, lâmina própria, músculo liso e adventícia das vias aéreas com menos de 2 mm de diâmetro, o que leva à perda progressiva de bronquíolos terminais e transicionais patentes.[14]

A deterioração da elastina e a subsequente perda de integridade alveolar causam enfisema.[15] A disfunção ciliar e o aumento do tamanho e número das células caliciformes levam ao excesso de secreção de muco.

O aumento da resistência das vias aéreas é a definição fisiológica da DPOC. A diminuição do recuo elástico, das alterações fibróticas no parênquima pulmonar e a obstrução luminal das vias aéreas pelas secreções contribuem para aumentar a resistência das vias aéreas. A limitação do fluxo respiratório estimula a hiperinsuflação. A hiperinsuflação e a destruição do parênquima pulmonar predispõem os pacientes com DPOC à hipóxia, principalmente durante atividades. A hipóxia progressiva causa o espessamento do músculo liso vascular com subsequente hipertensão pulmonar, que é um desenvolvimento tardio que resulta em um prognóstico desfavorável.[16][17] A transferência reduzida de gás também pode causar hipercapnia, à medida que a doença evolui.

Mediadores inflamatórios sistêmicos podem contribuir para o enfraquecimento dos músculos esqueléticos e iniciar ou agravar comorbidades cardíacas, metabólicas e esqueléticas.[1]

O uso deste conteúdo está sujeito ao nosso aviso legal