Complicações

Complicações table
ComplicaçãoPeríodo de ocorrênciaProbabilidade

hiperfosfatemia

longo prazoalta

Uma complicação tardia, que geralmente surge vários dias após a queda da filtração glomerular.

O tratamento inclui restrição alimentar e administração de aglutinantes de fosfato, como acetato de cálcio, carbonato de cálcio, sevelamer ou carbonato de lantânio.

A hemodiálise é efetiva para a redução do fósforo. Em pacientes submetidos a terapia renal substitutiva intensa, como aqueles em terapias renais substitutivas contínuas ou regimes diários de diálise, a reposição do fósforo pode ser necessária.

uremia

longo prazoMédias

As toxinas urêmicas acumuladas com insuficiência renal grave e não tratada resultam em letargia, confusão e obnubilação.

A diálise é necessária para o controle da uremia.

sobrecarga de volume (edema pulmonar, edema periférico)

variávelalta

Comprometimento da regulação do volume é comum nos casos de lesão renal aguda (LRA) não derivada de azotemia pré-renal.

O aporte de volume é limitado e a diurese é maximizada com agentes como a furosemida.

A resposta aos diuréticos é variável.

A ultrafiltração (remoção de volume por terapia renal substitutiva) pode ser necessária.

hipercalemia

variávelalta

Resulta do comprometimento da excreção de potássio, de lise celular ou de decomposição tecidual.

A hipercalemia grave pode resultar nos achados clássicos do eletrocardiograma (ECG) com pico de ondas T, aumento do intervalo PR, QRS ampliado, parada atrial e deterioração do padrão de onda sinusal.

As restrições na ingestão alimentar de potássio devem ser impostas para todos os pacientes, e podem ser suficientes para casos de hipercalemia leve.

O poliestirenossulfonato de sódio pode ser usado nos casos de hipercalemia moderada a grave. No entanto, seus efeitos não são imediatos e o potássio sérico precisa ser reduzido rapidamente.

Se essas etapas iniciais não forem suficientes ou se a hipercalemia for grave, a intervenção clínica é obrigatória e inclui avaliação cardíaca por ECG.

Se alterações clássicas estiverem presentes, o tratamento imediato com cálcio intravenoso (IV) é necessário, associado à rápida redução do potássio sérico com insulina, glicose e beta-agonistas. Cuidados devem ser tomados para se prevenir o extravasamento ao administrar sais de cálcio por via intravenosa, pois estes são altamente tóxicos aos tecidos.

Se a hipercalemia for refratária ao tratamento clínico, ou se houver manifestações cardíacas, a hemodiálise será indicada para a rápida normalização dos níveis de potássio.

acidose metabólica

variávelalta

Resulta do acúmulo de ácidos não voláteis. Preparações orais ou intravenosas de bicarbonato, como bicarbonato de sódio ou citrato de sódio/ácido cítrico, podem ser usadas para tratamento da acidose metabólica.

Em geral, o controle exige diálise, se a condição for grave e se a compensação respiratória não for capaz de manter o potencial hidrogeniônico (pH).

doença renal crônica progressiva

variávelMédias

A LRA pode ter como sequela um dano renal prolongado, e a recuperação funcional pode não retornar ao nível basal.

A recuperação depende do mecanismo e da gravidade da lesão e das condições de comorbidade clínica subjacentes.

A LRA em crianças pode estar associada a doença renal crônica, que pode progredir para doença renal em estágio terminal.[125][126]

Pacientes com recuperação parcial ou sem recuperação da LRA correm um risco maior de insuficiência cardíaca congestiva e infarto agudo do miocárdio.[127]

doença renal em estágio terminal

variávelMédias

Alguns pacientes podem se recuperar de lesão renal grave, especialmente aqueles com doença renal subjacente ou outras condições clínicas comórbidas. A terapia renal substitutiva crônica pode ser necessária.[121]

O uso deste conteúdo está sujeito ao nosso aviso legal