Prevenção primária

A exposição a radiocontraste pode causar LRA.[5]No entanto, a associação com a exposição a radiocontraste é controversa, pois os estudos populacionais não replicam o risco.[37][38][39] As evidências relativas à prevenção da LRA induzida por contraste são fracas e frequentemente conflitantes:

  • A administração de soro fisiológico em uma dose de 1 mL/kg/hora por várias horas antes e depois do contraste pode ser benéfica na prevenção da nefropatia por contraste.[54] No entanto, um grande estudo não demonstrou benefícios em pacientes com risco de nefropatia induzida por contraste de acordo com as diretrizes atuais.[55] O National Institute for Health and Care Excellence (NICE) do Reino Unido recomenda o uso da expansão intravenosa de volume somente para os pacientes hospitalizados considerados particularmente de alto risco, como por exemplo se eles tiverem comprometimento renal preexistente.[3]

  • Probucol. peptídeo natriurético atrial e estatinas em dose alta reduziram o risco de LRA induzida por contraste em estudos pequenos, mas permanecem em caráter experimental.[56][57][58]

É improvável que o bicarbonato de sódio seja superior ao soro na prevenção de lesão induzida por contraste.[59][60] Estudos que avaliaram a eficácia da administração de acetilcisteína antes da exposição ao contraste não exibem benefícios importantes, e esta abordagem deve ser abandonada.[60][61]

Tratamento durante cirurgia cardíaca:

  • Demonstrou-se que o nitroprusseto de sódio está associado à melhora da função renal quando administrado durante o período de reaquecimento da circulação extracorpórea não pulsátil no decorrer da cirurgia de enxerto coronariano.[62]

  • Uma ampla metanálise de 4605 pacientes adultos submetidos à cirurgia cardíaca com circulação extracorpórea e recebendo diferentes formas de terapia concluiu que o fenoldopam, o peptídeo natriurético atrial e o peptídeo natriurético do tipo B mostraram evidências de nefroproteção, embora nenhum tenha reduzido todas as causas de mortalidade.[63] É difícil justificar essas intervenções com base em evidências gerais.

  • Um estudo para avaliar o efeito de altas doses de atorvastatina perioperatória em pacientes submetidos a enxerto coronariano eletivo, cirurgia cardíaca valvar ou cirurgia da aorta ascendente não sugeriu benefícios.[64] Em uma população semelhante de pacientes, a LRA foi mais comum entre os pacientes randomizados para rosuvastatina perioperatória do que para o placebo.[65]

  • Levosimendana, um sensibilizador de cálcio usado para melhor o débito cardíaco, até agora se mostrou promissor nos estudos para prevenção de LRA em pacientes submetidos a cirurgias cardíacas.[66][67]

  • Uma metanálise sugeriu que o suporte com uma bomba de balão intra-aórtico em pacientes de alto risco submetidos a cirurgias de enxerto coronariano diminui a chance de LRA pós-operatória.[68]

  • Comparada com o enxerto coronariano com bomba, a cirurgia sem bomba parece reduzir o risco de LRA pós-operatória.[50]

Pacientes em estado crítico em ambiente de unidade de terapia intensiva (UTI):

  • Não está claro se uma estratégia de fluidoterapia intravenosa poupadora de cloreto reduz a incidência de LRA em pacientes em estado crítico.[69][70] São necessários estudos randomizados maiores para alterar a prática.[70]

Acidose metabólica grave:

  • Um ensaio relatou um melhor desfecho e menos mortalidade entre um subconjunto de pacientes em estado crítico com LRA que receberam infusão de bicarbonato de sódio para a correção de acidemia metabólica.[71] No entanto, o bicarbonato de sódio não foi associado a um benefício clínico em pacientes não selecionados em estado crítico com acidemia grave.

O uso deste conteúdo está sujeito ao nosso aviso legal