Abordagem

A lesão renal aguda (LRA) é diagnosticada pelo aumento agudo da ureia e creatinina ou oligúria persistente, de acordo com critérios validados, como a definição da Kidney Disease: Improving Global Outcomes (KDIGO)[1][3] Os critérios da KDIGO reúnem em uma única definição características dos critérios RIFLE (Risk = risco; Injury = lesão; Failure = insuficiência; End-stage renal disease = doença renal em estágio terminal) e dos critérios da Acute Kidney Injury Network (AKIN).[4][72][73]

A LRA é diagnosticada se qualquer um dos seguintes critérios forem atendidos:[1]

  • Aumento da creatinina sérica em ≥26.5 micromoles/L (≥0.3 mg/dL) em 48 horas; ou

  • Aumento da creatinina sérica para ≥1.5 vez o valor inicial, que se sabe ou se supõe ter ocorrido nos 7 dias anteriores; ou

  • Volume urinário <0.5 mL/kg/hora por 6 horas.

Assim, a LRA deve ser classificada de acordo com critérios de gravidade usando-se classificações da KDIGO, RIFLE ou AKIN.[1][72][73]

A afecção é geralmente assintomática e diagnosticada apenas por exames laboratoriais. Os sintomas gerais podem incluir náuseas e vômitos. Pode ocorrer uremia e um estado mental alterado, mas estes são mais comumente observados na LRA avançada ou na doença renal crônica avançada.

Uma história de trauma ou doença predisponente (por exemplo, insuficiência cardíaca congestiva [ICC], doença renal crônica, diabetes, doença vascular periférica e doenças do tecido conjuntivo, como lúpus eritematoso sistêmico [LES], esclerodermia e vasculite) pode estar presente. Diversos grupos publicaram escores de risco para LRA, que foram variavelmente validados por estudos de acompanhamento.[51][74][75]

Anamnese na insuficiência pré-renal

Os pacientes podem apresentar uma história de perda excessiva de fluidos por hemorragia, pelo trato gastrointestinal (vômitos, diarreia) ou sudorese. Os pacientes hospitalizados podem apresentar reposição insuficiente de fluidos para cobrir perdas contínuas e insensíveis, principalmente se houver restrição da ingestão enteral.

Pode haver histórias de sepse, cirurgia gastrointestinal ou pancreatite.

Os pacientes podem apresentar sintomas de hipovolemia: sede, tontura, taquicardia, oligúria ou anúria. A ortopneia e a dispneia paroxística noturna podem ocorrer se houver insuficiência cardíaca avançada.

Anamnese na insuficiência renal intrínseca

Geralmente, os pacientes apresentam necrose tubular aguda (NTA) subsequente a infecção grave, exposição a medicamentos nefrotóxicos ou cirurgia de grande porte. O paciente pode apresentar uma história de erupção cutânea, hematúria ou edema com hipertensão, sugerindo síndrome nefrítica e uma glomerulonefrite aguda ou vasculite renal. Pode ter sido realizada uma intervenção vascular recente antecedendo a LRA, ocasionando êmbolos por colesterol ou lesão induzida por contraste. Uma história de doença mieloproliferativa, como o mieloma múltiplo, pode predispor à LRA, especialmente em pacientes com depleção de volume.

Uma história de todos os medicamentos atuais e exames radiológicos recentes deve ser coletada para se estabelecer qualquer exposição a potenciais nefrotoxinas. Aciclovir, metotrexato, triantereno, indinavir ou sulfonamidas podem causar obstrução tubular pela formação de cristais. Os medicamentos de venda livre, como AINEs e simpatomiméticos, são geralmente negligenciados,[76] e os pacientes devem ser questionados especificamente sobre seu uso. A nefrite intersticial alérgica pode ser suspeitada nos pacientes com uma história de uso de anti-inflamatório não esteroidal (AINE) ou administração recente de novos medicamentos, como antibióticos betalactâmicos. Outras substâncias a serem consideradas incluem alucinógenos e "sais de banho".[77]

A LRA induzida por pigmento, devido à rabdomiólise, deve ser suspeitada em pacientes apresentando sensibilidade muscular, convulsões, abuso de álcool ou drogas, excesso de exercícios ou isquemia de membro (por exemplo, lesão por esmagamento).

Anamnese na insuficiência pós-renal

A insuficiência pós-renal é mais comum em homens idosos com obstrução prostática. Frequentemente, há história de urgência, polaciúria ou hesitação.

Uma história de malignidade, prostatismo, nefrolitíase ou cirurgia prévia pode coincidir com o diagnóstico de obstrução. A obstrução causada por cálculo renal ou necrose papilar se apresenta tipicamente como dor no flanco e hematúria.

Exame físico

Hipotensão, hipertensão, edema pulmonar ou edema periférico podem estar presentes. Pode ocorrer asterixis (flapping) ou estado mental alterado quando a uremia está presente.

O paciente com perda de fluidos, sepse ou pancreatite pode apresentar hipotensão juntamente com outros sinais de colapso circulatório.

Pacientes com doença glomerular geralmente apresentam hipertensão e edema, proteinúria e hematúria microscópica (síndrome nefrítica).

A presença de erupção cutânea, petéquia ou equimoses pode sugerir afecção sistêmica subjacente, como vasculite microangiopatia trombótica ou glomerulonefrite.

Os pacientes com necrose tubular aguda podem se apresentar após uma hemorragia, sepse, overdose de drogas ou medicamentos, cirurgia, parada cardíaca ou outras condições com hipotensão e isquemia renal prolongada.

Um sopro abdominal subjacente pode dar suporte a uma doença renovascular.

O paciente com obstrução prostática pode apresentar distensão abdominal por causa de uma bexiga cheia.

Exames iniciais

A investigação inicial deve incluir perfil metabólico básico (incluindo ureia e creatinina), gasometria venosa, hemograma completo, urinálise e cultura, bioquímica da urina (para excreção fracionada de sódio e ureia), ultrassonografia renal (quando apropriado pela história ou exame físico), radiografia torácica e eletrocardiograma (ECG). A osmolalidade da urina é raramente solicitada, porém, se estiver elevada, sugere azotemia pré-renal (na ausência de meios de contraste). As contagens eosinofílicas urinárias apresentam sensibilidade e especificidade baixas para nefrite intersticial aguda, mas podem ser úteis nos pacientes com piúria.[78]

A radiografia torácica pode revelar edema pulmonar ou cardiomegalia.

O ECG pode demonstrar arritmias se houver hipercalemia.

Recomenda-se cateterismo da bexiga em todos os casos de LRA se a obstrução infravesical não puder ser rapidamente descartada por ultrassonografia. Ele é diagnóstico e terapêutico para a obstrução do colo vesical, além de fornecer uma avaliação da urina residual e uma amostra para urinálise.

A proporção de ureia para a creatinina séricas de 20:1 ou mais embasa um diagnóstico de azotemia pré-renal, mas outras causas de uremia devem ser descartadas (como elevações induzidas por medicamentos ou sangramento gastrointestinal).

Uma excreção fracionada de sódio <1% dá suporte à azotemia pré-renal, mas pode também ser observada na glomerulonefrite, na síndrome hepatorrenal e em alguns casos de obstrução e até de necrose tubular aguda, desde que a função tubular permaneça intacta. A excreção fracionada de sódio é calculada da seguinte forma: (sódio urinário x creatinina sérica)/(sódio sérico x creatinina urinária) x 100%.[ Excreção fracionada de sódio (unidades SI) ]

Um valor de excreção fracionada de ureia <35% dá suporte a um diagnóstico de azotemia pré-renal e é útil se o paciente tiver feito uso de diurético. A excreção fracionada da ureia é calculada como se segue: (ureia urinária x creatinina sérica)/(ureia sérica x creatinina urinária) x 100%. Fractional excretion of urea: calculator external link opens in a new window

Pode-se realizar prova volêmica com cristaloide ou coloide (mas não soluções de hidroxietilamido), e haverá valor diagnóstico e terapêutico para azotemia pré-renal se a função renal melhorar rapidamente.

A osmolalidade urinária elevada (ou densidade específica da urina elevada), observada na azotemia pré-renal, sugere manutenção da função tubular normal e resposta ao hormônio antidiurético (HAD) em casos de hipovolemia. A concentração de sódio urinário <20 mmol/L (20 mEq/L) sugere uma ávida retenção de sódio e deveria ser observada na hipoperfusão renal/azotemia pré-renal. A alta quantidade de sódio urinário é geralmente observada na necrose tubular aguda (NTA), mas não é exclusiva do diagnóstico. A osmolalidade urinária também pode estar muito alta, como resultado de meios de radiocontraste e manitol.

Eosinófilos urinários maiores que 5% a 7% dão suporte mas não permitem confirmar o diagnóstico de nefrite intersticial.

Se a causa de LRA não for identificada, uma ultrassonografia renal é solicitada no início da investigação para auxiliar na avaliação das causas obstrutivas, assim como na avaliação da arquitetura e do tamanho renal. Também é útil para o diagnóstico de doença renal crônica subjacente.

Exames posteriores

Uma tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética (RM) pode ser necessária para uma avaliação mais profunda dos casos de obstrução sugerida à ultrassonografia (por exemplo, possíveis massas e cálculos).

Os exames do fluxo renal nuclear podem avaliar a perfusão e a função renal, e podem ser modificados usando captopril, para avaliar a estenose da artéria renal, ou com furosemida, para avaliar a obstrução nos casos de hidronefrose leve, em que a evidência da obstrução mecânica é incerta.

Testes diagnósticos adicionais podem ser definidos pela causa suspeitada da LRA, como cistoscopia para os casos de suspeita de estenose ureteral, ou avaliação sorológica (por exemplo, antiestreptolisina O, velocidade de hemossedimentação [VHS], fator antinuclear [FAN], anti-DNA [ácido desoxirribonucleico], complemento, membrana basal antiglomerular, anticorpo anticitoplasma de neutrófilo, perfil de hepatite aguda, teste para o vírus da imunodeficiência humana [HIV] e crioglobulinas), se a história sugerir doença autoimune, vasculítica, infecciosa ou do imunocomplexo, ou em casos de suspeita de glomerulonefrite. Novos biomarcadores séricos e urinários têm mostrado potencial como indicadores úteis para o diagnóstico da LRA e como preditores de mortalidade por LRA;[79][80][81]no entanto, são necessários mais estudos para se determinar sua utilidade clínica.[82][83][84][85][86][87]

Uma biópsia renal pode ser realizada para avaliação adicional da LRA quando a anamnese, o exame físico e outros estudos sugerirem uma doença sistêmica como etiologia ou quando o diagnóstico for incerto.

As biópsias podem confirmar necrose tubular aguda, mas raramente são realizadas para essa condição.


Venopunção e flebotomia – Vídeo de demonstraçãoVenopunção e flebotomia – Vídeo de demonstração

Como realizar uma demonstração animada do ECGComo realizar uma demonstração animada do ECG

O uso deste conteúdo está sujeito ao nosso aviso legal