Diagnósticos diferenciais

comuns

Síndrome da tosse das vias aéreas superiores (STVAS; gotejamento pós-nasal)

História
Exame físico
Primeira investigação
Outras investigações

pigarro frequente, gotejamento pós-nasal, secreção nasal, obstrução nasal ou espirros típicos, halitose

secreções mucopurulentas na nasofaringe ou orofaringe ou aspecto pavimentoso ("cobblestone") da orofaringe posterior

  • tentativa terapêutica:

    resposta à terapia empírica com anti-histamínico e descongestionante

    Mais

    Asma

    História
    Exame físico
    Primeira investigação
    Outras investigações

    sibilância, constrição torácica, dispneia, variabilidade de sintomas, forte associação com história familiar de asma/doença atópica, tosse, paroxismo, exacerbação por agentes irritantes ou exposição sazonal; às vezes, a tosse pode ser um sintoma isolado ou principal, geralmente pior à noite (variante tussígena da asma)[10]

    sibilância e fase expiratória prolongada no exame pulmonar

    • espirometria com broncodilatador:

      A relação VEF1/CVF é o exame diagnóstico primário

      Mais
    • taxa de pico do fluxo expiratório (TPFE):

      pode estar reduzida; pode haver variabilidade (>10%) nas medições registradas em diferentes horas do dia

      Mais
    • fração de óxido nítrico exalado (FeNO):

      elevada (>40 partes por bilhão)

      Mais
    • outros biomarcadores não invasivos de inflamação nas vias aéreas (contagem de eosinófilos séricos e no escarro e proteína catiônica eosinofílica):

      elevado

    • tentativa terapêutica:

      melhora dos sintomas após um ciclo de 2-4 semanas de corticosteroide inalatório ou antagonista do receptor de leucotrieno

    • teste de broncoprovocação:

      concentração provocativa de metacolina causando uma queda de 20% no VEF1 (CP20) <4 mg/mL

      Mais
    • Hemograma completo:

      eosinófilos normais ou elevados e/ou neutrofilia

    • anticorpos IgE séricos:

      anticorpos IgE elevados específicos para antígenos

      Mais
    • teste alérgico cutâneo por puntura:

      pode ser positivo para alérgenos

      Mais

    Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE)

    História
    Exame físico
    Primeira investigação
    Outras investigações

    pirose, disfagia, regurgitação ácida, associação de tosse com postura relaxada, fonação, levantar-se da cama ou comer sugerem doença de refluxo; ela pode ser silenciosa[38][41]

    sem características diferenciais no exame físico, pode ter sobrepeso ou obesidade

    • tentativa terapêutica de inibidores da bomba de prótons (IBPs) por 8 semanas:

      alívio dos sintomas

      Mais
    • monitorização do pH esofágico por 24 horas:

      O pH <4 durante 4% ou mais de tempo de monitorização e coincidente com tosse é consistente com a exposição patológica ao ácido

      Mais
    • esofagograma com bário:

      refluxo

      Mais

    Bronquite eosinofílica não asmática (BENA)

    História
    Exame físico
    Primeira investigação
    Outras investigações

    tosse crônica não produtiva; nenhuma característica diferencial na história

    sem características diferenciais no exame físico

    • expectoração ou contagem diferencial na lavagem broncoalveolar (LBA):

      eosinofilia

      Mais
    • FeNO:

      elevado

      Mais
    • resposta terapêutica aos esteroides inalatórios:

      presente

      Mais

    Bronquite crônica/doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)

    História
    Exame físico
    Primeira investigação
    Outras investigações

    história de tabagismo pode estar presente; a tosse pode produzir expectoração; dispneia, sobretudo por esforço, pode acompanhar a tosse

    casos leves: a maioria dos exames respiratórios é normal, pode apresentar murmúrios vesiculares em repouso, fase expiratória prolongada, ronco ou sibilos; casos avançados: cianose, tórax em tonel, uso de músculos acessórios da inspiração, B2 aumentada na borda esquerda do esterno ou edema periférico

    • testes de função pulmonar:

      volume expiratório forçado no primeiro segundo (VEF1) diminuído, VEF1/capacidade vital forçada (CVF) <70%, volume residual >120%, capacidade pulmonar total >120%, capacidade de difusão do CO <80%

      Mais
    • radiografia torácica:

      hiperinsuflação, mas que pode não estar presente em alguns casos

      Mais

    Inibidor da enzima conversora de angiotensina (IECA)

    História
    Exame físico
    Primeira investigação
    Outras investigações

    tosse seca, tipicamente associada com sensação de coceira ou irritação da garganta; a tosse pode começar dias ou meses depois de iniciada a terapia com IECAs

    nenhum achado específico nos exames

    • interrupção do uso do IECA:

      resolução da tosse

      Mais

      Pneumonia

      História
      Exame físico
      Primeira investigação
      Outras investigações

      febre, mal-estar, tosse geralmente com produção de expectoração, dor torácica[27]

      macicez à percussão, murmúrios vesiculares diminuídos e presença de estertores

      • radiografia torácica:

        infiltrado sugestivo de pneumonia

      • contagem de leucócitos (sangue):

        geralmente elevada, mas inespecífica

      • proteína C-reativa sérica:

        pode estar elevada

        Mais
      • coloração de Gram e cultura do escarro:

        presença de micro-organismos e leucócitos em uma boa amostra de expectoração (<25 células epiteliais escamosas por campo) embasam o diagnóstico de infecção do trato respiratório

      Tosse pós-infecciosa

      História
      Exame físico
      Primeira investigação
      Outras investigações

      tosse com duração de 3 a 8 semanas após sintomas de infecção respiratória aguda; congestão nasal/dos seios nasais, secreção nasal não purulenta, faringite[57]

      o diagnóstico é clínico e de exclusão

      • radiografia torácica:

        normal, exclui a pneumonia

      • contagem de leucócitos (sangue):

        geralmente elevada, mas inespecífica

      • coloração de Gram e cultura do escarro:

        presença de micro-organismos e leucócitos em uma boa amostra de expectoração (<25 células epiteliais escamosas por campo) embasam o diagnóstico de infecção do trato respiratório

      Infecção por Bordetella pertussis

      História
      Exame físico
      Primeira investigação
      Outras investigações

      paroxismos de tosse, vômitos pós-tosse ou guincho inspiratório; mais provável se a epidemiologia local sugerir prevalência aumentada

      hemorragia conjuntival e petequial podem resultar de paroxismos de tosse; exame do pulmão tipicamente normal

      • cultura nasofaríngea (se os sintomas tiverem <2 semanas):

        positiva

        Mais
      • reação em cadeia da polimerase e/ou sorologia (se os sintomas tiverem >4 semanas):

        positiva

      Incomuns

      Câncer pulmonar

      História
      Exame físico
      Primeira investigação
      Outras investigações

      história de tabagismo, mudança no caráter da tosse crônica, hemoptise, rouquidão, dor torácica, perda de peso, síndrome da veia cava superior (edema localizado na face e nos membros superiores, pletora facial, veias torácicas e cervicais distendidas), sintomas relacionados a metástases à distância e estágios avançados de câncer

      cânceres pulmonares centrais podem causar sibilância localizado unilateral; síndrome da veia cava superior, caquexia e sintomas relacionados a metástases à distância (por exemplo, dor no osso) são sintomas tardios

      • radiografia torácica:

        presença de lesão

        Mais
      • tomografia computadorizada (TC) do tórax:

        presença de lesão e doença locorregional

      • citologia do escarro:

        pode documentar a presença de células malignas

      • broncoscopia:

        presença de tumor

        Mais

      Bronquiectasia e doença pulmonar supurativa crônica

      História
      Exame físico
      Primeira investigação
      Outras investigações

      tosse produtiva com grande quantidade de expectoração mucopurulenta, variação diurna (por exemplo, piora pela manhã), piora posicional; dispneia, sibilância, hemoptise; eventualmente pode estar presente uma tosse paroxística não produtiva de expectoração

      estertores e sibilância, predominantemente acima dos lobos inferiores; baqueteamento digital em uma minoria de pacientes

      • radiografia torácica:

        marcas broncovasculares aumentadas

        Mais
      • tomografia computadorizada (TC) de alta resolução do tórax:

        dilatação brônquica, tamanho dos brônquios que ultrapassa o tamanho da artéria acompanhante, falta de estreitamento dos brônquios nas periferias pulmonares[55]

        Mais
      • testes de função pulmonar:

        defeito obstrutivo irreversível com volume expiratório forçado no primeiro segundo/capacidade vital forçada (VEF1/CVF) <70%

        Mais

      Fibrose pulmonar intersticial

      História
      Exame físico
      Primeira investigação
      Outras investigações

      dispneia de início subagudo domina o quadro clínico; tosse tipicamente seca

      seca, crepitação em velcro, tipicamente na base do pulmão; baqueteamento digital pode estar presente

      • radiografia torácica:

        marcações intersticiais aumentadas

        Mais
      • tomografia computadorizada (TC) de alta resolução do tórax:

        pneumonite intersticial: irregular, predomínio de alterações basilares e reticulares subpleurais com faveolamento e bronquiectasia de tração em estágios posteriores da doença

        Mais
      • testes de função pulmonar:

        padrão restritivo com capacidade pulmonar total <80%, capacidade residual funcional <80% e capacidade vital <80%, com capacidade de difusão de CO <80%

        Mais
      • biópsia:

        padrão da pneumonia intersticial usual

      Sarcoidose

      História
      Exame físico
      Primeira investigação
      Outras investigações

      a maioria dos pacientes é assintomática; pacientes sintomáticos: falta de ar, dispneia ao esforço e dor torácica presentes em uma minoria de pacientes; febre baixa; outros sintomas refletem o envolvimento de vários órgãos

      geralmente normal; lesões cutâneas (eritema nodoso e lesões cutâneas maculopapulares), aumento das glândulas lacrimais, linfadenopatia nas regiões cervical, supraclavicular ou axilar; vermelhidão ocular, lacrimejamento e fotofobia podem representar uveíte

      • radiografia torácica:

        vários achados, linfadenopatia hilar e mediastinal bilateral, infiltrados reticulares; fibrose com diminuição dos volumes pulmonares na sarcoidose avançada

        Mais
      • tomografia computadorizada (TC) do tórax com cortes de alta resolução:

        linfadenopatia hilar e mediastinal bilateral, infiltrados intersticiais

      • testes de função pulmonar:

        frequentemente normal, mas pode mostrar redução inespecífica na capacidade de difusão, obstrução ou restrição, ou ainda um quadro misto

        Mais
      • broncoscopia com biópsia:

        granuloma não caseoso tem respaldo, mas é necessário descartar razoavelmente outros distúrbios granulomatosos com colorações especiais e avaliação clínica

        Mais

      Tuberculose (TB)

      História
      Exame físico
      Primeira investigação
      Outras investigações

      residência/visita a uma área de alta prevalência; estado imunossuprimido (por exemplo, infecção por HIV, medicamento imunossupressor, receptores de transplante, diabetes, tratamento de diálise); fatores de risco epidemiológicos, principalmente contato próximo com tuberculose ativa; história de anorexia, mal-estar, perda de peso, febre ou sudorese noturna; tosse crônica com escarro, ocasionalmente associada a hemoptise

      febre, caquexia, taquicardia; assimetria no movimento torácico e macicez à percussão decorrente de derrame pleural, sopro tubário, crepitação, estertores decorrentes de infiltrado ou roncos na presença de purulência brônquica significativa; linfadenopatia extratorácica palpável não é comum

      • radiografia torácica:

        tuberculose (TB) primária: infiltrado pulmonar central; TB secundária: predominantemente infiltrados no lobo superior, com tendência distinta para fibrose e perda de volume

        Mais
      • coloração de Gram e cultura do escarro:

        presença de bacilos álcool-ácido resistentes (coloração de Ziehl-Neelsen) em expectoração ou lavagem broncoalveolar (LBA)

        Mais
      • testes de amplificação de ácido nucleico (NAATs):

        positivos para M tuberculosis

        Mais
      • teste tuberculínico:

        positiva

        Mais
      • testes de liberação de gamainterferona:

        positiva

        Mais
      • ensaio de lipoarabinomanano de fluxo lateral na urina (LF-LAM):

        positiva

        Mais

      Divertículo de Zenker

      História
      Exame físico
      Primeira investigação
      Outras investigações

      disfagia presente em 98% dos pacientes; regurgitação de alimento insosso não digerido; aspiração frequente; deglutição barulhenta (gargarejos); halitose; alterações na voz

      halitose, alterações na voz

      • esofagograma com bário:

        contraste positivo na estrutura conectada à parede posterior do esôfago é consistente com um divertículo

      • endoscopia:

        visualização do divertículo

      Aneurisma aórtico torácico (AAT)

      História
      Exame físico
      Primeira investigação
      Outras investigações

      a maioria dos pacientes não apresenta sintomas atribuíveis ao AAT no momento do diagnóstico; o sinal inicial mais comum é dor vaga, que pode ocorrer no peito, costas, flanco ou abdome; rouquidão decorrente de alongamento ou compressão do nervo laríngeo esquerdo recorrente; desvio da traqueia, tosse persistente ou outros sintomas respiratórios, como dispneia ou dor torácica; disfagia (incomum) decorrente de compressão do esôfago pelo aneurisma, hemoptise repentina e catastrófica ou hematêmese; deficits neurológicos incluindo paraplegia

      geralmente não se encontram achados físicos óbvios na região torácica, a menos que haja desvio da traqueia; pacientes com um componente abdominal podem apresentar massa abdominal pulsátil semelhante a aneurismas da aorta abdominal puros; sinais de perfusão diferenciais nos membros superiores e inferiores; evidência de isquemia visceral; deficits neurológicos focais; sopro de regurgitação aórtica; sopros

      • radiografia torácica:

        mediastino alargado; proeminência de botão aórtico ou desvio da traqueia

      • tomografia computadorizada (TC) espiral do tórax com reconstruções tridimensionais:

        visualização de aneurisma, observado como um aumento no tamanho de uma seção da aorta

      • RNM e angiografia por ressonância magnética:

        visualização de aneurisma, observado como um aumento no tamanho de uma seção da aorta

      Corpo estranho

      História
      Exame físico
      Primeira investigação
      Outras investigações

      início abrupto, mais comum em crianças pequenas

      pode ser assintomática ou mostrar sinais de obstrução das vias aéreas, incluindo tosse, sibilância, diminuição dos murmúrios vesiculares, dispneia ou febre

      • laringoscopia/broncoscopia:

        visualização do corpo estranho

      • radiografia torácica:

        visualização do corpo estranho (se o objeto for radiopaco)

      • tomografia computadorizada (TC) do tórax:

        visualização do corpo estranho

      Pneumonite por hipersensibilidade

      História
      Exame físico
      Primeira investigação
      Outras investigações

      exposição ocupacional/ambiental a alérgenos (por exemplo, agricultores, criadores de pássaros), dispneia progressiva, fadiga e perda de peso

      baqueteamento digital, frequência respiratória aumentada, estertores inspiratórios nos campos pulmonares inferiores

      • radiografia torácica:

        alterações fibróticas; perda de volume pulmonar que afeta especialmente os lobos superiores

      • tomografia computadorizada (TC) do tórax:

        características de fibrose

      • teste de IgG:

        altos títulos com anticorpos específicos para antígenos

      Bronquiolite

      História
      Exame físico
      Primeira investigação
      Outras investigações

      idade <1 ano, tosse, sibilo e dispneia, história de prematuridade, doença cardiopulmonar subjacente ou imunodeficiência

      frequência respiratória elevada, uso de musculatura acessória, retrações, sibilos, estertores, secreções purulentas ou na broncoscopia

      • radiografia torácica:

        condensação e atelectasia em doenças graves

      • virologia:

        pode ser positiva para vírus sincicial respiratório

        Mais
      • tomografia computadorizada (TC) de alta resolução:

        sinais de doença das pequenas vias aéreas

      Aspiração recorrente

      História
      Exame físico
      Primeira investigação
      Outras investigações

      disfagia, associação de tosse ao comer/beber, medo de sufocamento ao comer/beber; pode haver história de doença neurológica, incluindo acidente vascular cerebral (AVC), esclerose múltipla, doença de Parkinson

      sinais de doença neurológica, como AVC, esclerose múltipla, doença de Parkinson

      • radiografia torácica:

        infiltrados persistentes no lobo inferior

      • avaliação da deglutição:

        aspiração

        Mais

        Eosinofilia pulmonar tropical filariótica

        História
        Exame físico
        Primeira investigação
        Outras investigações

        viagem para área endêmica (África subsaariana, subcontinente indiano, sudeste asiático, Oceania); tosse paroxística seca, frequentemente noturna

        frequentemente normal; sibilância, roncos e estertores podem estar presentes no exame do pulmão; alguns pacientes desenvolvem hepatoesplenomegalia

        • hemograma com diferencial:

          eosinofilia

        • radiografia torácica:

          marcações intersticiais aumentadas

        • níveis de anticorpo filarial:

          elevado

        • imunoglobulina E (IgE) sérica:

          elevado

        Síndrome da tosse somática (tosse psicogênica)

        História
        Exame físico
        Primeira investigação
        Outras investigações

        uma extensa avaliação excluiu outras causas

        tosse aumenta após mudança comportamental ou terapia psiquiátrica

        • nenhuma:

          uma extensa avaliação já excluiu outras causas

          O uso deste conteúdo está sujeito ao nosso aviso legal