Prognóstico

Mortalidade

A principal causa de morte é a insuficiência respiratória causada pela síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA).[1086]

  • A taxa de letalidade global combinada da SDRA em pacientes com COVID-19 é de 39%; no entanto, ela varia significativamente entre os países (por exemplo, China 69%, Irã 28%, França 19%, Alemanha 13%).[1087]

  • Não há evidências que sugiram desfechos mais desfavoráveis (ou seja, dias sem ventilação mecânica, tempo de permanência em unidade de terapia intensiva ou hospital ou mortalidade) para os pacientes com SDRA relacionada a COVID-19 em comparação com a população geral de SDRA.[1088]

  • Os fatores de risco para insuficiência respiratória incluem idade avançada, sexo masculino, doença cardiovascular, marcadores laboratoriais (como lactato desidrogenase, contagem de linfócitos e proteína C-reativa) e alta carga viral à internação.[1089]

  • Outras causas comuns de morte incluem sepse ou choque séptico, insuficiência de múltiplos órgãos relacionada à sepse, coinfecções bacterianas ou virais, tromboembolismo venoso e insuficiência cardíaca.[1090]

A taxa de mortalidade depende da idade e da presença de afecções clínicas subjacentes.

  • Pessoas com <65 anos de idade apresentam risco muito pequeno de morte, mesmo em epicentros pandêmicos, sendo raras as mortes em pessoas com <65 anos de idade sem condições subjacentes.[1091]

  • As mortes em crianças e jovens são raras. Uma revisão sistemática e metanálise revelou que 3.3% das crianças foram hospitalizadas, 0.3% foram internadas em unidades de terapia intensiva e 0.02% morreram em estudos baseados na comunidade (23.9%, 2.9% e 0.2%, respectivamente, em estudos de rastreamento baseados no hospital.[1092] De acordo com dados pré-impressão (não revisados por pares) do primeiro ano de pandemia na Inglaterra, 25 crianças e jovens morreram, o equivalente a uma taxa de letalidade da infecção de 5 por 100,000 e uma taxa de mortalidade de 2 por milhão. Isso indica que >99.995% das crianças se recuperam da infecção. As crianças que morreram tinham principalmente >10 anos de idade e eram daa etnicidades asiática e negra.[1093]

  • Aproximadamente 99% dos pacientes que morreram de COVID-19 tinham pelo menos uma condição de saúde subjacente em um estudo de coorte nos Estados Unidos. Os fatores de risco mais fortes para morte foram obesidade, ansiedade e transtornos relacionados ao medo e o diabetes, bem como o número total de afecções subjacentes.[148]

As taxas de mortalidade são altas nos pacientes criticamente enfermos.

  • No ano de 2020, a mortalidade global por todas as causas foi de 35% nas unidades de terapia intensiva e de 32% nos hospitais para pacientes criticamente enfermos. No entanto, as taxas de mortalidade variam entre as regiões. Por exemplo, a mortalidade chegou a 48% no Sudeste Asiático e a apenas 15% na América.[1094]

As taxas de mortalidade diminuíram ao longo do tempo, apesar das características estáveis dos pacientes.

  • A mortalidade intra-hospitalar reduziu de 32.3% para 16.4% entre março e agosto de 2020 em um estudo de coorte no Reino Unido com mais de 80,000 pacientes. A mortalidade reduziu em todas as faixas etárias, em todos os grupos étnicos, em homens e mulheres e em pacientes com e sem comorbidades, além das contribuições do declínio da gravidade da doença.[1095] As taxas ajustadas de mortalidade intra-hospitalar diminuíram durante a primeira parte da primeira onda no Reino Unido e isso foi mantido durante a segunda onda da pandemia.[1096]

  • As taxas de mortalidade diminuíram drasticamente nos EUA durante os primeiros 6 meses da pandemia.[1097][1098] A mortalidade intra-hospitalar diminuiu de 10.6% para 9.3% entre março e novembro de 2020 em um estudo de coorte nos EUA com mais de 500,000 pacientes em 209 hospitais que atendem a doenças agudas.[1099] Entre pacientes com doença crítica internados em uma unidade de terapia intensiva de um sistema de saúde acadêmico nos EUA, a taxa de mortalidade diminuiu de 43.5% para 19.2% durante o período do estudo.[1100]

  • Isso pode refletir o impacto das mudanças na estratégia hospitalar e nos processos clínicos, e melhor adesão a terapias padrão baseadas em evidências para a doença crítica ao longo do tempo, como uso de corticosteroides, oxigênio nasal em sistema de alto fluxo para evitar a intubação, posicionamento em posição prona e redução do uso da ventilação mecânica. Mais estudos são necessários para confirmar esses resultados e investigar os mecanismos causais.

Taxa de letalidade da infecção

  • Definida como a proporção de mortes entre todos os indivíduos infectados, inclusive casos confirmados, casos não diagnosticados (por exemplo, casos levemente sintomáticos ou assintomáticos) e casos não relatados. A taxa de letalidade da infecção dá uma imagem mais precisa da letalidade de uma doença em comparação com a taxa de letalidade dos casos.

  • Foi estimado que aproximadamente 1.5 a 2 bilhões de infecções ocorreram globalmente em fevereiro de 2021, com uma estimativa de taxa de letalidade da infecção global de 0.15%. Existem diferenças substanciais na taxa de letalidade da infecção e na disseminação da infecção entre continentes, países e locais.[1101] Dados emergentes pré-impressão (sem revisão por pares) sugerem que a taxa de letalidade da infecção mediana em pessoas da comunidade com idade ≥70 anos foi de 2.9% (4.9% em pessoas com idade ≥70 anos em geral), mas foi muito menor em idades mais jovens (mediana 0.0013%, 0.0088%, 0.021%, 0.042%, 0.14% e 0.65%, aos 0-19, 20-29, 30-39, 40-49, 50-59 e 60-69 anos, respectivamente).[1102]

  • Melhor estimativa atual dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA para a taxa de letalidade da infecção, de acordo com a idade:[83]

    • 0 a 17 anos – 0.002%

    • 18 a 49 anos – 0.05%

    • 50 a 64 anos – 0.6%

    • ≥65 anos – 9%.

  • Com base nesses números, a taxa global de letalidade da infecção para pessoas com <65 anos de idade é de aproximadamente 0.2%.

  • Entre as pessoas a bordo do navio Diamond Princess, uma situação única em que uma avaliação precisa da taxa de letalidade da infecção em uma população em quarentena pode ser feita, a taxa de letalidade da infecção foi de 0.85%. No entanto, todas as mortes ocorreram em pacientes com idade >70 anos, e a taxa em uma população mais jovem e saudável pode ser muito menor.[1103]

  • Essas estimativas têm limitações e provavelmente mudarão à medida que mais dados surgirem ao longo da pandemia, especialmente no contexto das variantes circulantes do coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2 (SARS-CoV-2).

Taxa de letalidade dos casos

  • Definida como o número total de mortes relatadas dividido pelo número total de casos detectados relatados. A taxa de letalidade está sujeita a viés de seleção, uma vez que a probabilidade dos casos mais graves/hospitalizados serem testados é maior. A taxa de letalidade é uma estimativa dinâmica que muda com o tempo, a população, fatores socioeconômicos e medidas de mitigação.[1104]

  • A estimativa atual da Organização Mundial da Saúde para a taxa de letalidade dos casos global é de 1.16% (até 26 de junho de 2022).[19] A taxa de letalidade dos casos varia consideravelmente entre países. A taxa de letalidade dos casos agrupada na população em geral em uma revisão sistemática e metanálise foi de 1%.[1105] Esse número é muito menor que a taxa de letalidade dos casos relatada para o coronavírus da síndrome respiratória aguda grave (SARS), que foi de 10%, e para o vírus da síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS), que foi de 37%.[31]

  • A taxa de letalidade dos casos aumenta com a idade.

    • Nos EUA, a maioria das mortes ocorreu em pacientes com idade ≥65 anos. A taxa de letalidade dos casos foi maior entre os pacientes com idade ≥85 anos (10% a 27%), seguida pelos pacientes com idades de 65 a 84 anos (3% a 11%), 55 a 64 anos (1% a 3%) e, por fim, aqueles de 20 a 54 anos (<1%).[125]

    • Na China, a maioria das mortes ocorreu em pacientes com idade ≥60 anos.[1106] A taxa de letalidade dos casos foi maior entre os pacientes com idades ≥80 anos (13.4%), seguidos por aqueles de 60 a 79 anos (6.4%) e <60 anos (0.32%).[1107]

    • Na Itália, a taxa de letalidade dos casos foi maior entre pacientes com idade ≥80 anos (52.5%), seguida por aqueles de 70 a 79 anos (35.5%) e, em seguida, por aqueles de 60 a 69 anos (8.5%).[1108]

    • Mortes são raras em crianças.[23][125] Em um estudo, 70% dos óbitos ocorreram em pessoas com 10 a 20 anos de idade, 20% naqueles de 1 a 9 anos, e 10% em crianças com menos de 1 ano de idade.[1109]

  • A taxa de letalidade dos casos aumenta com a presença de comorbidades.

    • Na China, a maioria das mortes ocorreu em pacientes com problemas de saúde subjacentes preexistentes (10.5% para doença cardiovascular, 7.3% para diabetes, 6.3% para doença respiratória crônica, 6% para hipertensão e 5.6% para câncer).[1106]

  • A taxa de letalidade dos casos aumenta com a gravidade.

    • A taxa de letalidade dos casos combinada em pacientes hospitalizados foi de 13%.[1105] A taxa de letalidade dos casos é mais elevada em pacientes com doença crítica, variando de 26% a 67% nos estudos.[1106][1110][1111]

Limitações da taxa de letalidade da infecção/taxa de letalidade dos casos

  • A estimativa da taxa de letalidade da infecção e da taxa de letalidade dos casos nas fases iniciais de uma pandemia está sujeita a incertezas consideráveis, sendo provável que as estimativas mudem à medida que surgirem mais dados. As taxas tendem a ser altas no início de uma pandemia e, depois, tendem a diminuir, à medida que mais dados se tornam disponíveis.[1112]

  • Atualmente, não há uma definição estabelecida para um caso confirmado, e as definições de caso variam. Uma reação em cadeia da polimerase com resultado positivo às vezes é o único critério para um caso ser reconhecido; no entanto, um teste de reação em cadeia da polimerase positivo não necessariamente equivale ao diagnóstico de COVID-19, nem significa que a pessoa esteja infectada ou seja infecciosa.[1113][1114]

  • O número de mortes relatadas em um dia específico pode não refletir com precisão o número de mortes do dia anterior devido a atrasos associados à notificação de mortes. Isso dificulta saber se as mortes estão caindo ao longo do tempo no curto prazo.[1115]

  • Tanto os pacientes que morrem "com" COVID-19 quanto os pacientes que morrem "de" COVID-19 podem ser contabilizados no número de mortos em alguns países. Por exemplo, na Itália apenas 12% dos atestados de óbito mostraram causalidade direta associada à COVID-19, enquanto 88% dos pacientes que morreram tinham pelo menos uma comorbidade.[1112][1116]

Fatores de prognóstico

Os fatores prognósticos que têm sido associados ao aumento do risco de doença grave, hospitalização ou internação em unidade de terapia intensiva, desfechos desfavoráveis e mortalidade incluem:[1117][1118][1119][1120][1121][1122][1123]

  • Fatores do paciente

    • Idade mais avançada

    • Sexo masculino

    • Obesidade

    • História de tabagismo

    • Sangue tipo A

    • Fragilidade

  • Presença de comorbidades

    • Hipertensão

    • Doenças cardiovasculares

    • Doença cerebrovascular

    • Doença arterial periférica

    • Demência

    • Diabetes

    • Doença respiratória crônica (por exemplo, DPOC, apneia obstrutiva do sono)

    • Malignidade ativa

    • Imunossupressão

    • Doença hepática ou renal crônica

    • Doença reumática

    • Coinfecção bacteriana ou fúngica

  • Sinais/sintomas

    • Mialgia

    • Faringalgia

    • Produção de escarro

    • Calafrios

    • Náuseas

    • Dispneia

    • Constrição torácica

    • Tontura

    • Cefaleia

    • Hemoptise

    • Taquipneia

    • Hipoxemia

    • Insuficiência respiratória

    • Hipotensão

    • Taquicardia

  • Complicações

    • Choque

    • Infecção aguda ou sepse

    • Lesão renal, hepática ou cardíaca agudas

    • Síndrome do desconforto respiratório agudo

    • Tromboembolismo venoso

    • Arritmias

    • Insuficiência cardíaca

  • Investigações

    • Linfopenia

    • Leucocitose

    • Neutrofilia

    • Trombocitopenia

    • Hipoalbuminemia

    • Comprometimento hepático ou renal

    • Marcadores inflamatórios elevados (por exemplo, proteína C-reativa, procalcitonina, ferritina, velocidade de hemossedimentação, fator de necrose tumoral alfa, gamainterferona, interleucinas, lactato desidrogenase)

    • Creatina quinase elevada

    • Marcadores cardíacos elevados

    • Dímero D elevado

    • PaO₂/FiO₂ ≤200 mmHg

    • Pneumonia bilateral em imagens de tórax

    • Infiltrado consolidativo ou derrame pleural em exames de imagem do tórax

    • Escores de determinação da falência orgânica relacionada à sepse (SOFA) altos em sequência.

As doenças subjacentes mais comuns nos pacientes falecidos foram hipertensão, diabetes e doenças cardiovasculares.[1124]

Em crianças e adolescentes, cardiopatia congênita, doença pulmonar crônica, doenças neurológicas, obesidade, síndrome inflamatória multissistêmica, dispneia, síndrome do desconforto respiratório agudo, lesão renal aguda, sintomas gastrointestinais e proteína C-reativa e dímero D elevados foram associados a um prognóstico desfavorável.[1125]

Readmissão hospitalar

Aproximadamente 10% dos pacientes recuperados necessitam de nova internação hospitalar durante o primeiro ano após a alta, com base em evidências de qualidade muito baixa. A maioria das reinternações hospitalares ocorre até 30 dias após a alta. As taxas mais altas de reinternações foram relatadas em pacientes com doenças subjacentes, mas as evidências atuais são contraditórias e vêm de estudos com baixo nível de evidência. Taxas mais altas de reinternações também foram relatadas em países desenvolvidos em comparação com países em desenvolvimento, possivelmente devido ao melhor acesso a serviços médicos e aos maiores benefícios médicos oferecidos nos países desenvolvidos. A prevalência de mortalidade por todas as causas pós-alta em pacientes recuperados foi de 7.87% em 1 ano após a alta.[1126]

Infecções persistentes foram relatadas em pessoas imunocomprometidas.[1127]

O risco de complicações pós-agudas graves nos pacientes que não foram admitidos a um hospital devido à infecção primária parece ser baixo. No entanto, eles podem ter um ligeiro aumento do risco de tromboembolismo venoso, dispneia e início da terapia com broncodilatador ou triptanos em comparação com pessoas com teste negativo para SARS-CoV-2. Esses pacientes visitaram seu clínico geral e clínicas ambulatoriais com mais frequência após a infecção primária do que aqueles com resultado negativo, o que pode indicar sintomas persistentes que não levam a tratamento medicamentoso específico ou internação hospitalar.[1128]

Reinfecção

Reinfecção refere-se a uma nova infecção após infecção confirmada anterior (ou seja, reação em cadeia da polimerase via transcriptase reversa em tempo real [RT-PCR] para coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2 [SARS-CoV-2] positiva), e é diferente da infecção persistente e da recidiva. Atualmente, não existe uma definição de caso padrão para a reinfecção por SARS-CoV-2.[1129]

Há informações limitadas sobre a reinfecção.

  • A positividade recorrente do RT-PCR em pacientes 1 a 60 dias após a recuperação varia entre 7% a 23% nos estudos, com uma taxa combinada estimada de 12%.[1130] Os pacientes com doença inicial mais longa e idade mais jovem tiveram maior probabilidade de apresentar positividades recorrentes em RT-PCRs, enquanto aqueles com doença grave, diabetes e uma contagem baixa de linfócitos tiveram menor probabilidade.[1131] Atualmente não está claro se isso é devido a uma reinfecção; se é devido a fatores como o tipo de coleta de amostra e erros técnicos associados ao teste por swab, infecção por SARS-CoV-2 mutado ou eliminação de partículas virais persistente; ou se o resultado do teste foi um falso-negativo no momento da alta.[1132]

  • Estudos relataram testes de RT-PCR repetidamente positivos por até 90 dias após a infecção inicial; portanto, é mais provável que esses casos sejam, na verdade, infecções iniciais prolongadas. É importante observar que, embora a eliminação de partículas virais persistente tenha sido relatada por até 90 dias após o início da infecção, vírus competentes para replicação não foram identificados 10 a 20 dias após o início dos sintomas (dependendo da gravidade da doença).[1133] Um estudo de coorte de 200 pacientes com infecção pregressa constatou que, apesar da positividade persistente da RT-PCR da faringe por até 90 dias após a recuperação, não foi observada transmissão para contatos próximos, indicando que esses pacientes não são contagiosos no estágio pós-sintomático da infecção.[1134]

Os casos de reinfecção são raros.

  • A taxa de reinfecção é relativamente baixa. Uma revisão sistemática e metanálise encontrou a taxa agrupada de reinfecções de 0.65%. A taxa de reinfecções foi maior em populações de alto risco (1.6%), e a taxa de reinfecções sintomáticas foi menor (0.4%).[1135]

  • Em 18 estudos, o risco de reinfecção variou de 0% a 2.2%, e a infecção anterior reduziu o risco de reinfecção em 87%. A proteção permaneceu acima de 80% por pelo menos 7 meses, mas nenhum estudo acompanhou pacientes após o surgimento das variantes Delta ou Ômicron.[1136]

Considere a reinfecção nas seguintes circunstâncias:[1129]

  • Um teste de RT-PCR positivo repetido 90 dias ou mais após um teste de RT-PCR positivo anterior

  • Novos sintomas em um paciente com resultado de RT-PCR positivo para infecção anterior após recuperação completa aparente (ou seja, remissão completa dos sintomas anteriores) e um teste de RT-PCR positivo repetido (incluindo 90 dias após um teste RT-PCR positivo anterior).

Diagnóstico

  • Um quadro clínico compatível juntamente com a evidência diagnóstica (como um valor limiar dos ciclos de RT-PCR baixo) pode ser suficiente para diagnosticar a reinfecção. No entanto, o diagnóstico deve ser feito em conjunto com um especialista em doenças infecciosas após uma avaliação de risco que envolve a revisão das informações clínicas, diagnósticas e epidemiológicas disponíveis para informar se a reinfecção é provável. A confirmação da reinfecção deve ser obtida por meio do sequenciamento do genoma completo de amostras pareadas, se disponível.[1129]

  • No geral, 68.8% dos pacientes com reinfecção apresentaram gravidade da doença semelhante ao episódio inicial, 18.8% apresentaram sintomas piores e 12.5% apresentaram sintomas mais leves.[1137]

Tratamento

  • Trate os pacientes com suspeita de reinfecção como infecciosos, como para uma infecção nova ou primeira infecção. Aconselhe o paciente a isolar-se enquanto se aguarda a investigação adicional e a avaliação do risco clínico. É importante notar que a doença devida a reinfecção pode não seguir necessariamente a mesma evolução clínica do episódio anterior.[1129]

Os dados apresentados aqui são anteriores ao surgimento da variante Ômicron (veja a seção Classificação para obter mais informações sobre a Ômicron).

Imunidade

A resposta imune ao SARS-CoV-2 ainda não é totalmente compreendida, mas envolve imunidade mediada por células e mediada por anticorpos.

Acredita-se que a imunidade adaptativa ocorra nos primeiros 7 a 10 dias após a infecção. Uma resposta robusta das células B de memória e plasmoblastos é detectada no início da infecção, com secreção de anticorpos do tipo imunoglobulina A (IgA) e IgM nos dias 5 a 7 e IgG nos dias 7 a 10, desde o início dos sintomas. As células T são ativadas simultaneamente na primeira semana de infecção e as células T CD4+ e CD8+ de memória específica para SARS-CoV-2 atingem o pico em 2 semanas. As respostas de anticorpos e das células T diferem entre os indivíduos, e dependem da idade e da gravidade da doença.[1138]

Imunidade mediada por anticorpos

  • Aproximadamente 85% a 99% das pessoas infectadas desenvolvem anticorpos neutralizantes detectáveis até 4 semanas após a infecção natural. No entanto, isso varia de acordo com a gravidade da doença, o cenário do estudo, o tempo desde a infecção e o método usado para medir os anticorpos.[1139][1140]

  • Evidências moderadas sugerem que a maioria dos adultos desenvolve níveis detectáveis de anticorpos IgM e IgG após a infecção. Os níveis de IgM atingem o pico no início da evolução da doença em aproximadamente 20 dias e depois diminuem. Os níveis de IgG atingem o pico mais tardiamente, aproximadamente 25 dias após o início dos sintomas, e podem permanecer detectáveis por pelo menos 120 dias. A maioria dos adultos gera anticorpos neutralizantes, que podem persistir por vários meses. Alguns adultos não desenvolvem anticorpos após a infecção; as razões para isso não são claras.[1141]

  • Foi descoberto que os anticorpos IgG maternos contra SARS-CoV-2 são transferidos através da placenta após a infecção nas gestantes.[1142]

  • Observou-se que residentes frágeis de uma unidade de cuidados de longa permanência extremamente idosos (alguns com mais de 100 anos) demonstraram uma resposta imune robusta que foi capaz de neutralizar o vírus SARS-CoV-2.[1143]

  • Alguns estudos iniciais sugeriram que as pessoas assintomáticas podem ter uma resposta de anticorpos mais fraca à infecção; no entanto, isso não foi confirmado.[1144]

  • As evidências atuais sugerem que as respostas imunes permanecem robustas e protetoras contra a reinfecção na maioria das pessoas por pelo menos 10 meses após a infecção.[1145][1146] Um estudo transversal de adultos não vacinados revelou evidências de imunidade natural até 20 meses após a infecção, embora não esteja claro como os níveis de anticorpos se correlacionam com a proteção futura, particularmente com as novas variantes.[1147]

  • Algumas variantes do SARS-CoV-2 com alterações importantes na proteína da espícula (spike) apresentam suscetibilidade reduzida à neutralização por anticorpos. No entanto, a imunidade celular induzida pela infecção natural também tem como alvo outras proteínas virais, que tendem a ser mais conservadas nas variantes que a proteína da espícula (spike).[1139]

Imunidade celular

  • A maioria das pessoas desenvolve uma resposta de células T forte e ampla tanto com células T CD4+ como CD8+, e algumas têm um fenótipo de memória.[1148]

  • As células T CD4+ e CD8+ diminuíram com uma meia-vida de 3 a 5 meses em adultos que se recuperaram, e provavelmente estarão presentes na maioria dos adultos pelo menos 6 a 8 meses após a infecção primária.[1149][1150]

  • Novos dados sugerem que as respostas das células T são amplamente afetadas pelas variantes do SARS-CoV-2.[1151][1152]

Evidências sugerem que a infecção natural pelo SARS-CoV-2 provavelmente confere alta imunidade protetora contra a reinfecção.

  • Uma imunidade robusta de anticorpos e células T contra o SARS-CoV-2 está presente na maioria dos pacientes recuperados 12 meses após uma infecção moderada a crítica. Os anticorpos neutralizantes diminuíram entre 6 e 12 meses após a infecção, principalmente em idosos e pacientes críticos. No entanto, as células T da memória mantiveram a capacidade de mediar a imunidade celular em pacientes que perderam as respostas de anticorpos neutralizantes. As respostas das células T da memória à cepa original do SARS-CoV-2 não foram prejudicadas pelas novas variantes.[1153] Pacientes criticamente enfermos convalescentes geraram consistentemente significativas respostas imunes adaptáveis e humorais contra o SARS-CoV-2 por mais de 1 ano após a alta hospitalar.[1154]

  • As metanálises revelaram um alto nível (84% a 87%) de proteção após a infecção que persistiu por pelo menos 1 ano.[1155][1156]

  • Um estudo da Agência de Vigilância Sanitária do Reino Unido revelou que a imunidade adquirida naturalmente, como resultado de uma infecção pregressa, fornece 84% de proteção contra a reinfecção em comparação com pessoas que não tiveram a doença previamente, e a proteção pareceu durar por pelo menos 7 meses.[1157]

  • Da mesma forma, um estudo observacional em nível populacional entre 4 milhões de pessoas testadas por PCR na Dinamarca revelou que a proteção contra a infecção de repetição na população foi de 80% ou mais naqueles com menos de 65 anos de idade, e 47% naqueles com mais de 65 anos de idade. Não houve evidência de diminuição da proteção ao longo do tempo.[1158]

  • Um estudo baseado em registros, realizado na Suécia, constatou que a imunidade natural esteve associada a um risco 95% menor de reinfecção e a um risco 87% menor de hospitalização em comparação com a ausência de imunidade, por até 20 meses. A vacinação pareceu diminuir ainda mais o risco de ambos os desfechos por até 9 meses, embora as diferenças nos números absolutos tenham sido pequenas.[1159]

  • Um estudo de coorte em seis estados dos EUA revelou que pessoas não vacinadas com COVID-19 sintomática prévia tiveram um risco 85% menor de adquirir COVID-19 que indivíduos não vacinados sem COVID-19 prévia, e sugere que a imunidade natural esteve associada a proteção semelhante contra tanto a doença leve quanto a grave.[1160]

  • Um estudo observacional, realizado na Lombardia, Itália, revelou que a imunidade natural parece conferir um efeito protetor por, pelo menos, um ano; no entanto, o estudo terminou antes de as variantes do SARS-CoV-2 começarem a se espalhar, e não se sabe até que ponto a imunidade natural ao vírus do tipo selvagem protegerá contra essas variantes.[1161]

Imunidade preexistente ao SARS-CoV-2

  • Os testes de amostras de sangue coletadas antes da pandemia de COVID- 19 demonstraram que algumas pessoas já têm células imunes que reconhecem o SARS-CoV-2. Estudos relataram reatividade das células T contra o SARS-CoV-2 em 20% a 50% das pessoas sem exposição conhecida ao vírus.[1162] Aproximadamente 5% dos adultos não infectados e 62% das crianças não infectadas com idade entre 6 e 16 anos apresentaram anticorpos que reconhecem o SARS-CoV-2 em um estudo.[1163]

  • Isso pode ser uma consequência da verdadeira memória imunológica derivada, em parte, de infecções anteriores com coronavírus de resfriados comuns ou de outros coronavírus de animais desconhecidos. No entanto, são necessárias pesquisas adicionais sobre a existência de imunidade preexistente ao SARS-CoV-2 na população humana.

Imunidade natural versus imunidade induzida por vacina

  • A proteção após a infecção natural parece ser comparável àquela estimada para a eficácia da vacina.[1135]

  • Novas evidências sugerem que a imunidade natural pode conferir proteção pelo menos igual ou mais duradoura e mais forte contra infecção, doença sintomática e hospitalização causadas pela variante Delta ou outras variantes preocupantes, em comparação com a imunidade induzida pela vacina.[1164][1165]

  • Durante a onda Delta nos EUA (entre maio e novembro de 2021), as pessoas que foram infectadas anteriormente, com ou sem vacinação prévia, tiveram a maior proteção contra a infecção. No início de outubro, as pessoas que sobreviveram a uma infecção anterior tinham taxas de casos mais baixas do que as pessoas que foram vacinadas isoladamente.[1166]

Os dados apresentados aqui são anteriores ao surgimento da variante Ômicron (veja a seção Classificação para obter mais informações sobre a Ômicron).

O uso deste conteúdo está sujeito ao nosso aviso legal