Critérios

Organização Mundial da Saúde: gravidade da COVID-19[79]

Doença leve

  • Pacientes sintomáticos que atendem à definição de caso para COVID-19 sem evidência de hipóxia ou pneumonia.

  • Os sintomas mais comuns incluem febre, tosse, fadiga, anorexia, dispneia e mialgia. Os outros sintomas inespecíficos incluem a faringite, a congestão nasal, a cefaleia, a diarreia, as náuseas/vômitos e a perda de olfato/paladar. As manifestações neurológicas adicionais relatadas incluem tontura, agitação, fraqueza, convulsões ou achados sugestivos de AVC. As crianças podem não relatar febre ou tosse com tanta frequência quanto os adultos.

  • As pessoas idosas e imunossuprimidas podem apresentar sintomas atípicos (por exemplo, fadiga, estado de alerta reduzido, mobilidade reduzida, diarreia, perda de apetite, delirium, ausência de febre).

  • Os sintomas decorrentes de adaptações fisiológicas da gestação ou eventos adversos da gestação (por exemplo, dispneia, febre, sintomas gastrointestinais, fadiga) ou outras doenças (por exemplo, malária) podem se sobrepor aos sintomas da COVID-19.

Doença moderada

  • Adolescente ou adulto: sinais clínicos de pneumonia (isto é, febre, tosse, dispneia, respiração acelerada), mas nenhum sinal de pneumonia grave, incluindo níveis de saturação de oxigênio no sangue (SpO₂) ≥90% em ar ambiente.

  • Crianças: sinais clínicos de pneumonia não grave (ou seja, tosse ou dificuldade em respirar associada a respiração acelerada e/ou retração torácica) e ausência de sinais de pneumonia grave. A respiração acelerada é definida como:

    • <2 meses de idade: ≥60 respirações/minuto

    • 2 a 11 meses de idade: ≥50 respirações/minuto

    • 1 a 5 anos de idade: ≥40 respirações/minuto.

  • Embora o diagnóstico possa ser feito por motivos clínicos, o exame de imagem torácico pode auxiliar no diagnóstico e identificar ou descartar complicações pulmonares.

Doença grave

  • Adolescente ou adulto: sinais clínicos de pneumonia (isto é, febre, tosse, dispneia, respiração rápida) associados a um dos seguintes:

    • Frequência respiratória >30 respirações/minuto

    • Dificuldade respiratória grave

    • SpO₂ <90% em ar ambiente.

  • Crianças: sinais clínicos de pneumonia (ou seja, tosse ou dificuldade para respirar) associados a pelo menos um dos seguintes:

    • Cianose central ou SpO₂ <90%

    • Desconforto respiratório grave (por exemplo, respiração acelerada, gemência, retração torácica muito grave)

    • Sinais gerais de perigo: incapacidade de amamentar ou beber, letargia ou inconsciência ou convulsões

    • Respiração acelerada (<2 meses: ≥60 respirações por minuto; 2-11 meses: ≥50 respirações por minuto; 1-5 anos: ≥40 respirações por minuto).

  • Embora o diagnóstico possa ser feito por motivos clínicos, o exame de imagem torácico pode auxiliar no diagnóstico e identificar ou descartar complicações pulmonares.

Doença crítica

  • Presença de síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA), sepse, choque séptico, trombose aguda ou síndrome inflamatória multissistêmica em crianças.

National Institutes of Health: classificação clínica da COVID-19[479]

Umainfecção assintomática ou pré-sintomática

  • Pessoas com teste positivo para o coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2 (SARS-CoV-2) pelo uso de um teste virológico, mas que não apresentam sintomas consistentes com COVID-19.

Doença leve

  • Pessoas que apresentam qualquer um dos vários sinais e sintomas (por exemplo, febre, tosse, faringite, mal-estar, cefaleia, dor muscular, náusea, vômito, diarreia, perda de paladar e olfato) falta de ar, dispneia ou imagem torácica anormal.

Doença moderada

  • Pessoas que apresentam evidências de doença no trato respiratório inferior por avaliação clínica ou exame de imagem e uma saturação de oxigênio (SpO₂) ≥94% em ar ambiente ao nível do mar.

Doença grave

  • Pessoas que têm frequência respiratória >30 respirações por minuto, SpO₂ <94% em ar ambiente ao nível do mar, razão entre pressão parcial arterial de oxigênio e fração de oxigênio inspirado (PaO₂/FiO₂) <300 mmHg ou infiltrados em >50% dos pulmões.

Doença crítica

  • Pessoas com insuficiência respiratória, choque séptico e/ou disfunção de múltiplos órgãos.

Sintomas persistentes ou disfunção orgânica após a COVID-19 aguda

  • Pessoas que apresentam sintomas persistentes e/ou disfunção orgânica após uma doença aguda. Também conhecida como síndrome pós-COVID-19 aguda ou COVID longa. Consulte a seção Complicações para obter mais informações.

Definições de caso

Várias definições de caso estão disponíveis:

O uso deste conteúdo está sujeito ao nosso aviso legal