Monitoramento

Monitore regularmente os seguintes parâmetros nos pacientes hospitalizados para facilitar o reconhecimento precoce da deterioração e monitorar as complicações:[79]

  • Sinais vitais (temperatura, frequência respiratória, frequência cardíaca, pressão arterial, saturação de oxigênio)

  • Parâmetros hematológicos e bioquímicos

  • Parâmetros de coagulação (dímero D, fibrinogênio, contagem plaquetária, tempo de protrombina)

  • eletrocardiograma (ECG)

  • Exame de imagem torácica

  • Sinais e sintomas de tromboembolismo venoso ou arterial.

Escores clínicos de alerta precoce

  • Utilize escores clínicos de alerta precoce que facilitem o reconhecimento precoce e o escalonamento do tratamento de pacientes que apresentem deterioração (por exemplo, National Early Warning Score 2 [NEWS2], Paediatric Early Warning Signs [PEWS]), se possível.[79]

  • Não há dados sobre o valor do uso desses escores nos pacientes com COVID-19 no cenário da atenção primária.

    • Uma revisão sistemática e metanálise revelou que o escore NEWS2 teve sensibilidade e especificidade moderadas na predição da deterioração de pacientes com COVID-19. O escore mostrou boa discriminação na predição do desfecho combinado de necessidade de suporte respiratório intensivo, internação em unidade de terapia intensiva ou mortalidade intra-hospitalar.[542]

  • O escore de determinação da falência orgânica relacionada à sepse (SOFA) não tem precisão discriminante adequada para predição de mortalidade em pacientes antes da intubação em decorrência da pneumonia causada por COVID-19.[1335]

Gestantes

  • O bem-estar fetal deve ser monitorado. A frequência das observações da frequência cardíaca fetal deve ser individualizada com base na idade gestacional, no estado clínico materno (por exemplo, hipóxia) e nas condições fetais.[79]

Acompanhamento pós-alta

  • Os pacientes com suspeita ou confirmação de COVID-19 (de qualquer gravidade da doença) que apresentem sintomas persistentes, novos ou que apresentem alteração devem ter acesso a cuidados de monitoramento.[79]

  • Foram publicadas diretrizes para o acompanhamento respiratório de pacientes com pneumonia devida à COVID-19. Os algoritmos de acompanhamento dependem da gravidade da pneumonia e podem incluir consulta clínica e revisão (presencial ou telefone) por um médico ou enfermeira, imagens do tórax, testes de função pulmonar, ecocardiograma, amostra de escarro, teste de marcha e avaliação de saturação de oxigênio.[1336]

  • Mais da metade dos pacientes que receberam alta hospitalar apresentaram anormalidades da função pulmonar e em exames de imagem do tórax 12 semanas após o início dos sintomas.[1337] Os testes de função pulmonar podem revelar capacidade de difusão alterada, um padrão restritivo ou um padrão obstrutivo.[1338] A capacidade de difusão comprometida foi mais grave e se recuperou mais lentamente no sexo feminino em comparação com o sexo masculino, e os primeiros 3 meses foram o período crítico de recuperação para a capacidade de difusão.[1339]

Escores prognósticos

  • Vários escores de risco clínico e prognósticos estão sendo pesquisados ou desenvolvidos para a COVID-19 (por exemplo, A-DROP, APACHE II, CALL, COPE, COVID-GRAM, COVID-19MRS, COVID-19 SEIMC, CVS, OurRisk.CoV, QCOVID, SCARP, SOARS, 3F, 4C).[1340][1341][1342][1343][1344][1345][1346][1347][1348][1349][1350][1351][1352][1353][1354] No entanto, uma validação externa adicional em várias populações é necessária antes que seu uso possa ser recomendado.

  • A Organização Mundial da Saúde recomenda o uso do julgamento clínico, incluindo a consideração dos valores e preferências do paciente e das políticas local e nacional, se disponíveis, para orientar as decisões de tratamento, incluindo internação hospitalar e na unidade de terapia intensiva, em vez dos modelos de predição atualmente disponíveis para prognóstico.[79]

O uso deste conteúdo está sujeito ao nosso aviso legal