Discussões com os pacientes

O controle deve ser revisado periodicamente com todos os pacientes. Isso deve incluir:

  • Quando entrar em contato com o profissional de saúde

  • As metas de glicose sanguínea e o uso de suplementação de insulina de curta ou rápida duração durante a doença

  • Meios para suprimir a febre e tratar a infecção

  • O início de uma dieta de fluidos facilmente digeríveis contendo eletrólitos e glicose durante a doença.

Os pacientes devem ser aconselhados a sempre manter o uso da insulina durante a doença e procurar aconselhamento profissional no início.

A CAD associada a inibidores da proteína cotransportadora de sódio e glicose 2 (SGLT-2) em pacientes com diabetes do tipo 2 costuma ser desencadeada pela omissão de insulina ou pela redução significativa da dose, doença grave aguda, desidratação, excesso de atividade física, cirurgia, dietas baixas em carboidratos ou consumo excessivo de bebidas alcoólicas. As estratégias de prevenção da CAD devem incluir a retenção de inibidores da SGLT-2 na presença de desencadeadores, além de evitar a omissão de insulina ou uma grande redução da dose de insulina.[41][42]

O paciente (ou membro da família ou cuidador) deve ser capaz de medir com precisão e registrar a glicose sanguínea, a administração de insulina, temperatura, frequência respiratória e pulso. A cetona sanguínea (BOHB) deve ser verificada quando a glicose sanguínea estiver acima de 16.7 mmol/L (300 mg/dL) e, se estiver alta, o paciente deverá procurar o hospital para avaliações adicionais. A frequência do monitoramento da glicose sanguínea depende do quadro clínico do paciente: no diabetes não controlado (HbA1c >53 mmol/mol [>7.0%]) recomenda-se verificar a glicose sanguínea antes de cada refeição e à noite, ao deitar.[1][91]

O uso deste conteúdo está sujeito ao nosso aviso legal