Monitoramento

É possível tratar a CAD leve sem internação na unidade de terapia intensiva (UTI), no entanto, muitos casos exigirão cuidados na UTI.

após a internação na UTI, os acessos arteriais e venosos centrais são geralmente necessários. O cateterismo de Swan-Ganz e a oximetria percutânea contínua são necessários em pacientes com instabilidade hemodinâmica. O monitoramento dos parâmetros respiratórios também é necessário para garantir a oxigenação adequada e a proteção das vias aéreas.

Inicialmente, a glicose sérica, eletrólitos, ureia, creatinina, cálcio, magnésio, fosfato, cetonas, lactato, creatina fosfoquinase, testes da função hepática, urinálise, eletrocardiograma (ECG), radiografia do tórax ereto, hemograma completo e gasometria arterial (gasometria arterial) são obtidos. Subsequentemente, a glicose e os eletrólitos são medidos no mínimo de hora em hora; o cálcio, o magnésio e o fosfato são averiguados a cada 2 horas e a ureia, creatinina e cetonas a cada 2 a 6 horas, dependendo das condições clínicas do paciente e sua resposta à terapia.

As medições de beta-hidroxibutirato (BOHB) sérico podem ajudar a monitorar a resposta ao tratamento para CAD. No entanto, na ausência de um medidor capaz de medir a BOHB, a medição de corpos cetônicos não é recomendada. A BOHB é convertida em acetoacetato, que é detectado por método de nitroprussiato, durante o tratamento da CAD. Portanto, o aumento do acetoacetato durante o tratamento da CAD pode ser confundido com um indicativo de agravamento da cetonemia.

O monitoramento do bicarbonato, anion gap e potencial hidrogeniônico (pH) também reflete a resposta da terapia. Um fluxograma classificando esses achados, assim como estado mental, sinais vitais, dose de insulina, débito urinário, terapias de fluido e eletrólitos, permite analisar com facilidade a resposta ao tratamento e resolução de crises.[1][43][89][90]

O uso deste conteúdo está sujeito ao nosso aviso legal