Prognóstico

A evolução clínica natural da infecção pelo vírus Ebola apresenta uma variação acentuada entre as diferentes espécies virais e de acordo com o nível de cuidados médicos de suporte disponível. A espécie mais letal é o Zaire ebolavirus, que apresenta uma taxa de letalidade relatada de até 90%. A taxa de letalidade foi de aproximadamente 50% na maioria dos centros de tratamento durante o surto de 2014 na África Ocidental, embora as taxas tenham variado de 25% a 90% em outros surtos passados.[2] A maioria das epidemias ocorreu em ambientes com poucos recursos e poucos cuidados de suporte; portanto, a taxa de letalidade em outros ambientes pode ser <40%.[94]

As crianças mais jovens (<5 anos de idade) e os adultos com mais de 40 anos de idade apresentam taxa de mortalidade mais elevada em comparação a adolescentes e adultos mais jovens. As mulheres apresentam uma taxa de sobrevida ligeiramente melhor em relação aos homens.[184] Alta carga viral, lesão renal aguda e comprometimento neurológico também são preditores de desfecho desfavorável.[18][6][20][21][22][80][81][93][121][122][123]

Um estudo observacional de um surto em 1995 mostrou diminuição acentuada na taxa de letalidade de 93% para 69% entre as fases inicial e final do surto.[185] Isso sugere que casos mais tardios foram reconhecidos mais precocemente e possivelmente receberam melhor qualidade de cuidados.

As gestantes apresentam uma alta incidência de aborto espontâneo, e a infecção é geralmente fatal nessas mulheres.[21][144][145][146]

Dados sobre os efeitos da infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) no prognóstico são aguardados. Um estudo sugere que a infecção por vírus GB-C, um pegivírus imunomodulador presente em mais de 28% dos africanos ocidentais, está associada a uma melhor sobrevida na doença aguda pelo vírus Ebola.[186]

Evolução da infecção

Pacientes que acabam eventualmente por falecer tendem a desenvolver sinais clínicos no início da infecção, sendo que a morte geralmente é atribuída ao choque e insuficiência de múltiplos órgãos, geralmente ocorrendo entre os dias 6 e 16 da infecção.[6][13][14][15] Pacientes que acabam se recuperando apresentam febre isolada por vários dias, com melhora geralmente nos dias 6 a 11.[93]

Indicadores prognósticos

Estudos observacionais mostraram que pacientes com doença fatal desenvolvem características avançadas de infecção (por exemplo, prostração, obnubilação, hipotensão, comprometimento neurológico) mais precocemente na evolução da infecção comparados a pacientes que sobreviveram com uma sobrevida mediana observada de 9 dias desde o início dos sintomas.[6][13] Lesão renal aguda e carga viral mais elevada estão correlacionadas a desfecho adverso e aumento da mortalidade.[20][21][22][61][89][91] Biomarcadores como indicadores prognósticos requerem estudo adicional.[13][74][93]

Recuperação e convalescença

Pacientes que ultrapassam a segunda semana de infecção têm chance >75% de sobreviver.[16] Os pacientes geralmente são liberados da unidade de isolamento quando são capazes de deambular e cuidar de si, não apresentam sintomas significativos (por exemplo, diarreia, vômitos, sangramento) e têm 2 resultados negativos da reação em cadeia da polimerase via transcriptase reversa (RT-PCR) para vírus Ebola obtidos com 48 horas de diferença.[89] A eliminação de partículas virais no líquido seminal pode continuar por mais de um ano e meio após a recuperação.[40][41][42][187][44][45][47][48][188][189] O vírus foi detectado no sêmen de 62% dos homens 4 a 6 meses após a recuperação da infecção aguda.[187] Outro estudo revelou que 63% dos homens apresentaram resultado de teste positivo para o vírus em seu sêmen 12 meses ou mais após a recuperação, com o maior intervalo entre a liberação de uma unidade de tratamento e a coleta da amostra sendo de 565 dias.[188] Também foi detectado no sêmen por até 548 dias após o início da doença em 5% dos homens.[189] A liberação do vírus Ebola no sêmen pode ser intermitente. Um estudo relatou o reaparecimento do ácido ribonucleico (RNA) do vírus Ebola no sêmen de 30 pacientes do sexo masculino após dois testes consecutivos com resultados negativos.[190] A transmissão sexual do vírus por um homem à sua parceira sexual foi confirmada por estudos genômicos na Libéria.[46] O vírus Ebola também foi detectado no fluido vaginal.[49] A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que os homens se submetam a exames de sêmen mensalmente, a partir de 3 meses após o início dos sintomas, e se mantenham em abstinência ou usem preservativos até realizarem dois exames negativos de sêmen com um mês entre exames (ou pelo menos 12 meses após a resolução dos sintomas).[43] O vírus foi detectado no suor (até o dia 40), na urina (até o dia 30), no líquido conjuntival (até o dia 22), nas fezes (até o dia 19) e no leite materno (até o dia 17), mesmo na ausência de viremia.[191]

Pacientes que sobrevivem geralmente apresentam uma recuperação prolongada caracterizada por artralgias (76% a 77%), fadiga (69%), sintomas oculares (14% a 60%), cefaleia (48% a 54%), dor abdominal (54%), anemia (50%), distúrbios cutâneos (49%) e sintomas auditivos (24%).[192][193][194]Um estudo longitudinal que comparou sobreviventes positivos para anticorpos contra o vírus Ebola e contatos próximos negativos para esses anticorpos (controles) durante 12 meses constatou que seis sintomas foram relatados com mais frequência pelos sobreviventes, comparados aos controles; polaciúria (14.7% versus 3.4%); cefaleia (47.6% versus 35.6%); fadiga (18.4% versus 6.3%); dor muscular (23.1% versus 10.1%); perda de memória (29.2% versus 4.8%);e dor nas articulações (47.5% versus 17.5%). Um número maior de sobreviventes também apresentou achados torácicos, abdominais, neurológicos e musculoesqueléticos, comparados aos controles.[195]

Manifestações tardias durante a convalescença podem incluir orquite, mielite, parotidite, pancreatite, hepatite e psicose.[17] Os sobreviventes também apresentam risco de uveíte (anterior, posterior ou panuveíte), que pode causar complicações estruturais secundárias, comprometimento da visão ou cegueira.[196] Um estudo retrospectivo, não controlado e transversal revelou que aproximadamente 28% dos sobreviventes desenvolveram uveíte associada ao Ebola e 3% desenvolveram neuropatia óptica associada ao Ebola. Naqueles com uveíte, revelou-se que 38.5% dos pacientes eram cegos (acuidade visual >20/400).[197] Um sobrevivente apresentou uveíte aguda com detecção de vírus Ebola viável 14 semanas após o início da infecção e 9 semanas após a eliminação do vírus do sangue.[198][199] Também foram relatadas cataratas brancas unilaterais e uma nova lesão da retina na distribuição anatômica dos axônios do nervo óptico.[200] A etiologia dessas manifestações não está clara, mas pode estar relacionada a fenômenos associados a imunocomplexos ou à persistência do vírus Ebola em locais imuno-privilegiados. Check-ups regulares dos sobreviventes são recomendados por pelo menos 18 meses após a recuperação.[189]

É provável que os sobreviventes da infecção adquiram imunidade vitalícia contra a mesma cepa do vírus Ebola. Consequentemente, pacientes que se recuperaram da infecção são inestimáveis no tratamento de pacientes com infecções ativas. No entanto, nosso entendimento sobre a persistência viral em locais de difícil alcance permanece incompleto. Um profissional da saúde expatriado apresentou meningoencefalite pelo vírus Ebola (RT-PCR do LCR e plasma foram positivos para vírus Ebola) 9 meses após recuperar-se de doença primária grave pelo vírus Ebola em 2015.[201] Houve também relato de um caso de encefalite tardia e poliartrite,[202] assim como um caso de possível transmissão de um sobrevivente com infecção persistente mais de um ano após a recuperação.[203] A possibilidade de persistência prolongada e reaparecimento tardio da doença clínica provavelmente alterará a abordagem epidemiológica e clínica de sobreviventes que apresentarem doenças subsequentes. Também se trata de uma preocupação teórica quanto ao tratamento de mulheres que engravidaram logo após recuperação de infecção aguda por Ebola.

Sobreviventes e filhos daqueles que faleceram são estigmatizados e condenados ao ostracismo em muitas comunidades. Isso pode estar associado a questões psicológicas.[204][205]

O uso deste conteúdo está sujeito aos nossos avisos legais