Epistaxe

Última revisão: 2 Jun 2022
Última atualização: 26 Mai 2021

Resumo

Definição

História e exame físico

Principais fatores diagnósticos

  • presença de fatores de risco
  • sangue nos dois lados do nariz
Mais principais fatores diagnósticos

Outros fatores diagnósticos

  • sangramento com início nas narinas
  • epistaxe recorrente
  • desvio de septo
  • taquicardia
  • sangramento com início na garganta
  • hipotensão
  • síncope
  • tonturas ou sensação de desfalecimento
  • palidez
  • hipoestesia e dor na distribuição do segundo ramo do nervo trigêmeo
Outros fatores diagnósticos

Fatores de risco

  • tempo seco e baixa umidade
  • cirurgia nasal ou sinusal prévia
  • oxigênio por cânula nasal ou pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP)
  • fratura nasal ou outra fratura facial
  • outros traumas nasais
  • medicamentos nasais tópicos
  • coagulopatia primária (por exemplo, hemofilia)
  • medicamentos (por exemplo, aspirina, anticoagulante, antiagregante plaquetário, anti-inflamatórios não esteroidais)
  • telangiectasia hemorrágica hereditária familiar
  • angiofibroma nasal juvenil
  • doença hepática ou renal crônica
  • desvio de septo
  • corpo estranho no nariz
  • agentes irritantes ambientais
  • barotrauma
  • ulceração secundária à infecção (por exemplo, herpes-zóster ou infecção bacteriana)
  • tosse vigorosa
  • neoplasia sinonasal
  • doença granulomatosa crônica
Mais fatores de risco

Investigações diagnósticas

Primeiras investigações a serem solicitadas

  • diagnóstico clínico
Mais primeiras investigações a serem solicitadas

Investigações a serem consideradas

  • Hemograma completo
  • estudos de coagulação (tempo de protrombina, tempo de tromboplastina parcial ativada, testes da função plaquetária)
  • ureia, creatinina sérica
  • TFHs
  • rastreamento autoimune/autoanticorpos
  • tomografia computadorizada (TC) dos seios paranasais
  • ressonância nuclear magnética (RNM) de crânio
  • angiografia carotídea interna e externa
  • endoscopia nasal e nasofaringoscopia
  • radiografia simples nasal ou do seio nasal
Mais investigações a serem consideradas

Algoritmo de tratamento

Inicial

epistaxe ativa: medidas iniciais

Aguda

epistaxe ativa: sangramento persistente impedindo a identificação do local do sangramento

epistaxe ativa: local de sangramento visível

Contínua

epistaxe quiescente, mas recorrente

Colaboradores

Autores

Darren Pinder, BSc(Hons), MB BChir, MSc(Med Ed), FRCS(ORL)

Consultant ENT Surgeon

Royal United Hospital Bath NHS Trust

Bath

UK

Declarações

DP declares that he has no competing interests.

Revisores

Ethan Cumbler, MD

Assistant Professor

Department of Internal Medicine

University of Colorado Health Sciences Center

Denver

CO

Declarações

EC declares that he has no competing interests.

Samuel J. Stratton, MD, MPH

Professor

UCLA School of Public Health and David Geffen School of Medicine

Los Angeles

Medical Director

Health Disaster Management/Emergency Medical Services

Orange County Health Care Agency

Santa Ana

CA

Declarações

SJS declares that he has no competing interests.

Janet Wilson, BSc, MD, FRCSEd, FRCSEng

Professor of Otolaryngology - Head and Neck Surgery

Newcastle University

Honorary Consultant Otolaryngologist

Freeman Hospital

Newcastle-Upon-Tyne

UK

Declarações

JW declares that she has no competing interests.

  • Epistaxe images
  • Diagnósticos diferenciais

    • Hemoptise
    • Hematêmese
    Mais Diagnósticos diferenciais
  • Diretrizes

    • Clinical practice guideline: nosebleed (epistaxis)
    • Clinical guideline: epistaxis
    Mais Diretrizes
  • Folhetos informativos para os pacientes

    Epistaxe em crianças

    Epistaxe em adultos

    Mais Folhetos informativos para os pacientes
  • Videos

    Venopunção e flebotomia – Vídeo de demonstração

    Inserção de um tampão nasal anterior

    Mais videos
  • padlock-lockedConectar-se ou assinar para acessar todo o BMJ Best Practice

O uso deste conteúdo está sujeito ao nosso aviso legal