Síndrome do choque tóxico

Última revisão: 9 Nov 2022
Última atualização: 16 Fev 2022

Resumo

Definição

História e exame físico

Principais fatores diagnósticos

  • dor intensa difusa ou localizada em um membro
  • febre
  • edema ou eritema localizados
  • hipotensão
  • rash eritematoso difuso escarlatiniforme
Mais principais fatores diagnósticos

Outros fatores diagnósticos

  • alterações agudas do estado mental
  • sintomas tipo influenza
  • sensibilidade e fraqueza muscular
  • sensibilidade e dor abdominal
  • sinais e sintomas de miocardite
  • endoftalmite
  • hipotermia
Outros fatores diagnósticos

Fatores de risco

  • diabetes mellitus
  • alcoolismo
  • traumas menores e lesões com hematomas, formação de hematomas ou distensão muscular
  • procedimentos cirúrgicos (por exemplo, parto vaginal, reconstrução da mama, parto cesáreo, histerectomia, lipossucção, bunionectomia)
  • um único absorvente higiênico interno usado continuamente por dias consecutivos durante a menstruação
  • uso de absorventes higiênicos internos de alta absorção
  • uso de anti-inflamatório não esteroidal (AINE)
  • uso de esponjas vaginais, diafragmas e dispositivos intrauterinos (DIUs)
  • faringite estreptocócica não tratada
Mais fatores de risco

Investigações diagnósticas

Primeiras investigações a serem solicitadas

  • microscopia e cultura (sangue, ferida, líquido, tecido)
  • Hemograma completo
  • tempo de protrombina
  • tempo de tromboplastina parcial
  • ureia e creatinina séricas
  • urinálise
  • TFHs
  • creatina quinase (CK)
  • cálcio sérico
  • albumina sérica
  • ácido lático sérico
Mais primeiras investigações a serem solicitadas

Investigações a serem consideradas

  • teste de anticorpos anti-Staphylococcus aureus
  • radiografia torácica
Mais investigações a serem consideradas

Novos exames

  • sorotipagem

Algoritmo de tratamento

Inicial

suspeita de síndrome do choque tóxico

Aguda

síndrome do choque tóxico estreptocócico confirmada

síndrome do choque tóxico estafilocócico confirmada: sensível à meticilina

síndrome do choque tóxico estafilocócico confirmada: resistente à meticilina

síndrome do choque tóxico clínico sem culturas confirmadas

Colaboradores

Autores

Walid Khayr, MD

Professor of Medicine

Rosalind Franklin University of Medicine and Science

Infectious Disease Section Chief

Veteran Affairs Medical Center

North Chicago

IL

Declarações

WK declares that he has no competing interests.

Agradecimentos

Dr Khayr would like to gratefully acknowledge Dr Marie R. Baldisseri, a previous contributor to this topic. MRB declares that she has no competing interests.

Revisores

Mary Jane Reed, MD, FACS, FASMBS

Associate Professor

Department of Critical Care Medicine and Department of General Surgery

Geisinger Medical Center

Danville

PA

Declarações

MJR declares that she has no competing interests.

Janice Zimmerman, MD

Head

Critical Care Division

The Methodist Hospital

Houston

TX

Declarações

JZ declares that she has no competing interests.

Djillali Annane, MD, PhD

Professor in Medicine at University of Versailles SQY

Director of the General ICU at Raymond Poincaré Hospital (AP-HP)

Director of the Center for Clinical Research and Technology Innovation (INSERM)

Garches

France

Declarações

DA is an author of a number of references cited in this topic.

  • Síndrome do choque tóxico images
  • Diagnósticos diferenciais

    • Sepse Gram-negativa
    • Febre maculosa das Montanhas Rochosas (FMMR)
    • Meningococcemia aguda
    Mais Diagnósticos diferenciais
  • Diretrizes

    • Surviving sepsis campaign: international guidelines for management of sepsis and septic shock: 2021
    • World Society of Emergency Surgery (WSES) and the Surgical Infection Society Europe (SIS-E) consensus conference: recommendations for the management of skin and soft-tissue infections
    Mais Diretrizes
  • padlock-lockedConectar-se ou assinar para acessar todo o BMJ Best Practice

O uso deste conteúdo está sujeito ao nosso aviso legal