Prevenção primária

A implementação e manutenção de medidas de controle apropriadas no manuseio e na comercialização de animais selvagens oferecidos para consumo humano em mercados de alimentos é de suma importância para a prevenção primária de síndrome respiratória aguda grave (SARS).

Prevenção secundária

Como a transmissão da doença parece ocorrer através de interações próximas com indivíduos infectados, o reconhecimento precoce de novos casos de síndrome respiratória aguda grave (SARS) é a base para se prevenir a disseminação da doença.[87][88] É necessário um alto nível de suspeita no período interepidêmico, especialmente quando casos 'incomuns' de infecção grave do trato respiratório inferior são identificados. Existem diversas estratégias para reduzir transmissões adicionais da doença tanto dentro do hospital como no cenário comunitário.

  • Os profissionais da saúde ou outras pessoas expostas a pacientes com SARS devem ser monitorados quanto ao possível desenvolvimento da doença.

  • Os indivíduos que tiveram contato desprotegido com um caso confirmado ou suspeito de SARS devem ficar em isolamento por 10 dias após a possível exposição. Nenhuma precaução específica é necessária para os que compartilham o ambiente domiciliar com uma pessoa em quarentena, contanto que essa pessoa permaneça assintomática.

  • A implementação de precauções de controle da infecção deve ser imediata, com iniciação de estratégias de triagem que assegurem o reconhecimento precoce de possíveis casos. A infraestrutura de saúde deve ser examinada e atualizada para lidar de forma eficiente com um possível reaparecimento da SARS.[89]

  • Todas as medidas como estações de rastreamento de febre, triagem de pacientes com febre, separação de pacientes com SARS dos outros pacientes, separação das entradas e passagens entre os pacientes e os profissionais de saúde e aumento das instalações para lavagem das mãos demonstraram um efeito protetor para os profissionais de saúde.[90]

  • Os profissionais de saúde devem ser treinados adequadamente e devem aderir de forma diligente às diretrizes de controle de infecções.[91]

  • Os profissionais da saúde devem usar máscaras protetoras, como as N95,[92] ou respiradores contendo filtro de partículas de ar de alta eficiência (HEPA), roupas com mangas longas, jalecos impermeáveis e luvas limpas.[93] Se for provável o respingo ou borrifo de secreções respiratórias ou outros fluidos corporais, é necessária a proteção dos olhos com óculos ou escudo facial. Uma boa circulação do ar nas enfermarias para SARS pode ser eficaz para minimizar ou prevenir a transmissão de SARS entre os profissionais de saúde nos hospitais.[94]

  • O trabalho de parto e o parto em pacientes grávidas com suspeita e provável SARS devem ser realizados em um quarto designado e isolado com pressão negativa e por pessoal especializado em controle de infecção e preparação da mesma, e usando equipamentos de proteção.[95]

  • Os neonatos e as mães com SARS devem ser isolados em uma unidade designada até que o bebê esteja bem por 10 dias ou até que o período de isolamento da mãe esteja completo. A mãe não deve amamentar durante esse período.[95]

O uso deste conteúdo está sujeito aos nossos avisos legais