Caso clínico

Caso clínico

Um homem de 34 anos apresenta-se no pronto-socorro com uma história de 3 dias de febre, calafrios, cefaleia, tosse seca, mialgia, dispneia e diarreia. Ele relata que retornou de uma área com registros recentes de agrupamentos de casos de síndrome respiratória aguda grave (SARS) 5 dias antes do início dos sintomas. Ele está hipóxico e a radiografia torácica inicial revela infiltrados bilaterais multifocais. Os achados laboratoriais mostram uma leucopenia moderada (em particular, linfopenia) e trombocitopenia junto com níveis elevados de creatinina quinase, lactato desidrogenase e aminotransferase. Ele está isolado em uma câmara com pressão negativa e apresenta melhora gradativa nos 4 dias seguintes. No dia 5, há uma recaída na febre e na diarreia e as radiografias torácicas subsequentes revelam novas infiltrações. O paciente desenvolve insuficiência respiratória e instabilidade hemodinâmica. Ele é transferido para a unidade de terapia intensiva (UTI), onde é iniciada ventilação mecânica. À medida que a deterioração clínica continua, ele evolui para síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) e morre 6 dias depois.

Outras apresentações

A resposta febril típica pode estar ausente em pacientes idosos, que podem apresentar mal-estar, perda do apetite, delirium ou até mesmo um episódio de queda com uma fratura associada.[4] Bebês e crianças apresentam sintomas mais brandos e rinorreia associada em 50% dos casos.

O uso deste conteúdo está sujeito aos nossos avisos legais