Prevenção primária

Para atualizações sobre orientações relativas a imunizações de rotina durante a pandemia de Coronavírus, consulte nosso tópico "Manejo de condições coexistentes no contexto da COVID-19".

A prevenção primária contra a gripe é fornecida pela vacina contra gripe.[38][39][40][41][42][43][44][45] [ Cochrane Clinical Answers logo ] [ Cochrane Clinical Answers logo ] [ Cochrane Clinical Answers logo ] As diretrizes internacionais variam quanto às recomendações de quem deve receber vacinação. Para a temporada de 2020-2021 no Reino Unido, a vacinação contra gripe (influenza) é recomendada para todas as crianças entre 2 e 11 anos, todas as pessoas com 65 anos ou mais, indivíduos de seis meses de idade a menos de 65 anos que fazem parte do grupo de risco (por exemplo, doença respiratória, cardíaca, renal, hepática ou neurológica crônica, diabetes, imunossupressão, dificuldades de aprendizagem, obesidade), gestantes, contactante domiciliar de pessoas vulneráveis a infecções (por exemplo, indivíduos imunocomprometidos, aqueles com risco de COVID-19 na forma grave), cuidadores, profissionais da saúde e assistentes sociais, aqueles que moram em instituições de longa permanência.[46] Além disso, indivíduos com idade entre 50 e 64 anos podem receber vacinação após a priorização de outros grupos elegíveis, se houver vacinas disponíveis. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA atualmente recomendam vacina para gripe para todas as pessoas ≥6 meses que não têm contraindicação à vacinação.[47] CDC: influenza (flu) external link opens in a new window Para 2020-2021, o Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP) do CDC recomenda que qualquer vacina contra a gripe (influenza) licenciada e adequada à idade pode ser usada, inclusive a vacina de vírus vivo atenuado, quando adequada.[47] A American Academy of Pediatrics (AAP) também recomenda que qualquer vacina licenciada, recomendada e adequada à idade seja usada para crianças, sem preferência por um produto ou formulação sobre outro (a menos que haja contraindicação).[14] Ensaios clínicos estão sendo realizados para avaliar o uso da vacina contra gripe em lactentes (<6 meses de idade).[48] Crianças com idade entre 6 meses e 8 anos precisam de duas doses de vacina contra gripe (influenza; administradas com ≥4 semanas de diferença) durante sua primeira fase de vacinação para otimizar a resposta.[47] O ACIP recomenda que crianças com idade entre 6 meses e 8 anos que tenham recebido previamente ≥2 doses de vacina contra gripe (influenza) trivalente ou quadrivalente ≥4 semanas de intervalo antes de 1 de julho de 2020 precisam de apenas uma dose para 2020-2021.[47] A partir dos 9 anos de idade é recomendada apenas uma dose anual.[47] Gestantes podem tomar a vacina inativada licenciada, recomendada e adequada à idade; a vacina contra a gripe (influenza) de vírus vivo atenuado não deve ser administrada durante a gravidez.[47] A vacinação contra gripe (influenza) durante a gravidez não está associada a um aumento do risco de hospitalização infantil ou óbito nos primeiros 6 meses de vida,[49] e pode ajudar a evitar internações hospitalares em decorrência da gripe (influenza) entre as gestantes.[50] Além disso, a vacinação contra influenza durante a gestação resulta no desenvolvimento de anticorpos capazes de proteger o bebê nos primeiros meses de vida.[51] Outras diretrizes internacionais recomendam vacinação para grupos de alto risco. As diretrizes locais devem ser consultadas e seguidas.

Para a temporada de 2020-2021 (hemisfério norte), a Organização Mundial da Saúde recomenda que vacinas quadrivalentes à base de ovo contenham um vírus similar ao A/Guangdong-Maonan/SWL1536/2019 (H1N1)pdm09, A/Hong Kong/2671/2019 (H3N2), B/Washington/02/2019 (linhagem B/Victoria) e B/Phuket/3073/2013 (linhagem B/Yamagata). Vacinas quadrivalentes à base de células ou recombinantes devem conter um vírus similar ao A/Hawaii/70/2019 (H1N1)pdm09, A/Hong Kong/2671/2019 (H3N2), B/Washington/02/2019 (linhagem B/Victoria) e B/Phuket/3073/2013 (linhagem B/Yamagata). O componente de influenza B das vacinas trivalentes deve ser um vírus similar ao B/Washington/02/2019 (linhagem B/Victoria).[52]

Nos EUA, a AAP recomenda que todas as crianças com alergia de qualquer intensidade ao ovo podem receber a vacina contra gripe (influenza) inativada ou com vírus vivo atenuado, sem a necessidade de se tomarem precauções adicionais além daquelas recomendadas para qualquer vacina.[14] O Advisory Comitee on Immunization Practices recomenda:[47][53]

  • Pessoas com história de alergia a ovo que tenham apresentado somente urticária após exposição a ovo devem receber vacina contra gripe (qualquer vacina contra a gripe [influenza] licenciada, recomendada e adequada para a idade).

  • Pessoas que tenham relatado reações a ovos (envolvendo sintomas como angioedema, desconforto respiratório, tontura ou êmese recorrente) ou precisado de adrenalina ou qualquer outra intervenção médica de emergência podem receber a vacina contra gripe (qualquer vacina contra a gripe [influenza] licenciada, recomendada e adequada para a idade). Se a vacina não for à base de cultura de células, deve ser administrada em um ambiente médico ambulatorial ou com paciente hospitalizado. A vacina deve ser administrada por um médico com experiência no reconhecimento e no tratamento de condições alérgicas graves.

  • Pessoas que podem comer ovo levemente cozido (por exemplo, ovo mexido) sem apresentar reação provavelmente não são alérgicas. Pessoas alérgicas a ovo podem tolerar ovo presente em produtos assados (por exemplo, pão ou bolo). A tolerância a alimentos que contêm ovos não descarta a possibilidade de alergia a ovo. A alergia a ovo pode ser confirmada por uma história médica consistente de reações adversas a ovos e a alimentos que contenham ovos, além de exame de pele e/ou sangue para imunoglobulina E direcionada contra as proteínas do ovo.

  • Para pessoas sem história conhecida de exposição a ovo, mas suspeitas de ter alergia a ovo com base em testes alérgicos realizados anteriormente, a consulta com um médico experiente no manejo de condições alérgicas deve ser feita antes da vacinação.

  • Uma reação alérgica grave à vacina contra gripe anterior, independentemente de qual o componente suspeito de ser o responsável pela reação, constitui uma contraindicação ao recebimento futuro da vacina.

Independentemente da história de alergia, todas as vacinas devem ser administradas em ambientes que contem com pessoal e equipamento para rápido reconhecimento e tratamento da anafilaxia.

Administrar a vacina em uma abordagem de duas etapas e teste cutâneo com a vacina não é necessário.[54] Uma vacina trivalente feita com o uso de um sistema de expressão de vírus em insetos e tecnologia de ácido desoxirribonucleico (DNA) recombinante está disponível para adultos com 18 anos ou mais. Diferentemente de outras vacinas, essa não inclui vírus da gripe ou ovos em seu processo de fabricação. Uma vacina quadrivalente com base em cultura celular está disponível nos EUA para pessoas ≥4 anos ou mais, e na Europa para pessoas ≥9 anos. A vacina quadrivalente baseada em cultura celular é feita usando-se vírus influenza cultivados em culturas de células de origem mamífera em vez de ovos de galinha.[55][56]

A eficácia da vacina pode variar de acordo com a idade do receptor, o nível de imunidade preexistente e o prognóstico correto da cepa específica do vírus circulante.[57][40][41][42][43][58][59][60][61][62][63][64][65]

Eficácia da vacina em idosos:

  • A maioria das mortes associadas à gripe ocorre na população idosa (com ≥65 anos de idade).[66][67][68] Uma revisão sistemática observou que os benefícios da vacinação foram mais evidentes em desfechos relacionados à saúde dos residentes das unidades de cuidados de longa permanência que nos idosos saudáveis da comunidade.[69] Um estudo agrupado de coorte publicado após a metanálise demonstrou uma redução significativa na mortalidade em idosos vacinados (1.0% em comparação a 1.6% em indivíduos não vacinados).[67] O benefício da mortalidade em pacientes idosos aumenta com a vacinação anual.[70] Vacinação em altas doses e reforços de baixos títulos na meia estação podem ser benéficos em idosos.[71][72][73][74][75]

  • Qualquer vacina licenciada apropriada para a idade pode ser usada.[47]

Risco da síndrome de Guillain-Barré (GBS):

  • A GBS é um distúrbio autoimune agudo dos nervos periféricos que se desenvolve em indivíduos suscetíveis após a infecção e, em raros casos, após a imunização. Nos EUA, um aumento do risco de GBS foi associado à vacina contra a gripe suína em 1976 (influenza A H1N1 subtipo A/NJ/76 de origem suína).[76] O número de casos de GBS associado à vacina contra gripe relatados ao Vaccine Adverse Event Reporting System (Sistema de Relatos de Eventos Adversos da Vacina) aumentou de 37 em 1992-1993 para 74 em 1993-1994. Os estudos desses casos mostraram que para as duas estações combinadas, o risco relativo ajustado de 1.7 sugere um pouco mais de 1 caso adicional de GBS por milhão de pessoas vacinadas contra gripe.[77] O risco parece ser consideravelmente menor que o risco de saúde geral representado pela gripe que ocorre naturalmente.

  • História de GBS até 6 semanas após a aplicação de vacina contra gripe constitui uma advertência quanto ao uso dessa vacina em virtude do risco de GBS recorrente. Os riscos e benefícios da vacina precisam ser considerados nesses casos.[47]

Prevenção secundária

Tanto o oseltamivir quanto o zanamivir se mostraram eficazes como profilaxia contra infecção quando administrados logo após a exposição a um indivíduo infectado.[136] [ Cochrane Clinical Answers logo ] A profilaxia antiviral após a exposição a um indivíduo infectado é reservada para populações de risco.[110][111] Achados de uma metanálise mostraram que o oseltamivir reduziu modestamente o tempo até alívio sintomático clínico em adultos com gripe (influenza), mas aumentou a incidência de náuseas e vômitos.[126]

O uso deste conteúdo está sujeito aos nossos avisos legais