Prognóstico

Dor cervical axial

A dor cervical axial com espondilose cervical não tem cura e geralmente considera-se que piora com a idade. No entanto, muitos pacientes com espondilose cervical grave (em estudos radiográficos) não têm dor cervical axial; a presença de dor pode não se correlacionar necessariamente com o grau ou a gravidade da espondilose radiográfica. Pacientes com dor cervical axial tipicamente melhoram ao longo do tempo, embora a dor possa se repetir e ser intensa. O paciente pode precisar de tratamento vitalício para o controle da dor, se ela for persistente e prolongada. Pacientes que se apresentam principalmente com dor cervical axial raramente desenvolvem uma afecção mais grave, no sentido da doença articular degenerativa causando radiculopatia ou mielopatia.

Radiculopatia espondilótica cervical

Estudos sobre os desfechos em longo prazo sugerem que a radiculopatia cervical remite com o tempo na maioria dos pacientes ao longo de 1 a 2 anos se não for tratada cirurgicamente.[20] A função da cirurgia é, portanto, acelerar ou melhorar essencialmente o grau natural de recuperação, especialmente se o paciente tiver dor intensa.

Mielopatia espondilótica cervical

Uma vez que os pacientes são submetidos à cirurgia descompressiva adequada, sua função neurológica geralmente estabiliza durante muitos anos. O agravamento neurológico evidente geralmente pode ser atribuído a uma causa específica, como estenose do segmento adjacente após fusão anterior limitada, instabilidade com subsequente pressão da medula espinhal, como angulação cifótica após laminectomia, ou instabilidade, como subluxação de C7/T1, depois da fusão posterior de C3 a C7. No entanto, os níveis não protegidos podem deteriorar progressivamente, mesmo com a cirurgia, e, ao longo do tempo, podem causar novas áreas de compressão da medula espinhal que podem necessitar de tratamento adicional. A maioria das cirurgias da coluna cervical aumenta o nível de linha basal de dor cervical axial, e os pacientes frequentemente precisarão de um tratamento em longo prazo para a sua difícil dor cervical axial.

Anormalidades assintomáticas

Não há estudos que detalhem a melhor abordagem para pacientes assintomáticos que apresentam anomalias preocupantes, como estenose do canal vertebral da coluna cervical. Se a anomalia sugerir claramente uma neoplasia envolvendo a coluna cervical, ou outro distúrbio grave equivalente, será necessária uma investigação. A maioria das anomalias tem significado desconhecido e o tratamento (particularmente a cirurgia) não deve ser sugerido, a menos que fique claro para o paciente que o procedimento não serve para tratar um sintoma, mas evitar que um problema específico ocorra no futuro. O tratamento cirúrgico pode ser possivelmente indicado em alguns pacientes com anomalias assintomáticas que, quando observados ao longo do tempo, desenvolvem novos sintomas sugestivos de progressão da doença.

O uso deste conteúdo está sujeito aos nossos avisos legais