Diagnósticos diferenciais

SINAIS / SINTOMAS
Investigações
SINAIS / SINTOMAS

Residência em ou viagem recente para uma área com transmissão local de COVID-19, ou contato próximo com um caso suspeito ou confirmado nos 14 dias anteriores ao início dos sintomas.

Pode ser difícil distinguir clinicamente da pneumonia bacteriana. Além de febre, tosse e dispneia, outros sintomas manifestos comuns incluem faringite, mialgia, fadiga e alteração no paladar e/ou olfato.

Os pacientes com desconforto respiratório podem apresentar taquicardia, taquipneia ou cianose acompanhando hipóxia.

Muitos pacientes com pneumonia por COVID-19 atendem aos critérios para SDRA, mas não se sabe ao certo se a pneumonia grave por COVID-19 é um fenótipo diferente de SDRA.[48]

Investigações

Reação em cadeia da polimerase via transcriptase reversa em tempo real: positiva para RNA do SARS-CoV-2.

Não é possível diferenciar a COVID-19 de outras causas de pneumonia à imagem do tórax.

SINAIS / SINTOMAS
Investigações
SINAIS / SINTOMAS

Uma história de doença cardíaca, isquemia ou infarto agudo do miocárdio, ou uma conhecida fração de ejeção baixa, sugere edema pulmonar cardiogênico, da mesma forma que uma terceira bulha (B3) e a estase jugular no exame físico.

Investigações

A insuficiência cardíaca é sugerida na radiografia torácica por uma silhueta cardíaca aumentada, um pedículo vascular com largura >70 mm, infiltrados centrais e linhas B de Kerley.

Níveis do peptídeo natriurético do tipo B >500 nanogramas/L (>500 picogramas/mL) também sugerem edema cardiogênico.

A ecocardiografia e a medida da pressão de oclusão da artéria pulmonar podem ser necessárias se a história e os exames físicos e laboratoriais não descartarem edema pulmonar cardiogênico.

SINAIS / SINTOMAS
Investigações
SINAIS / SINTOMAS

Uma história de febre e tosse com ou sem produção de escarro.

Os pacientes podem apresentar desconforto torácico pleurítico.

Investigações

Pneumonia grave com infiltrados bilaterais na radiografia torácica atende aos critérios radiográficos para síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA).

Se os pacientes não apresentarem hipoxemia grave com a pneumonia (PaO₂/FiO₂ ≤300 ou SpO₂/FiO₂ ≤315), eles não têm SDRA.

SINAIS / SINTOMAS
Investigações
SINAIS / SINTOMAS

Início geralmente subagudo, ocorrendo em dias a semanas.

Os pacientes estavam saudáveis anteriormente, sem doença sistêmica relacionada.

Alguns autores denominaram essa doença de SDRA idiopática.[41]

Investigações

Preenche todos os critérios clínicos para SDRA.

É diferenciada melhor pela história.

SINAIS / SINTOMAS
Investigações
SINAIS / SINTOMAS

Associada com sangramento de pequenos vasos das vias aéreas (capilarite) e observada em muitas doenças, desde doenças autoimunes até doenças da valva mitral.

É quase sempre uma forma reversível de insuficiência respiratória, uma vez que a causa subjacente é conhecida.

Investigações

Uma síndrome de hipóxia com infiltrados na radiografia torácica.

O sinal característico é encontrar sequencialmente alíquotas mais sanguinolentos do líquido durante a lavagem broncoalveolar seriada.

Testes sorológicos em busca de doenças autoimunes podem ser úteis para diferenciá-la da SDRA.[41]

SINAIS / SINTOMAS
Investigações
SINAIS / SINTOMAS

Manifesta-se como pneumonia leve a grave em pessoas previamente saudáveis.

Os pacientes apresentam excelente resposta a corticosteroides intravenosos.[49]

Investigações

O sinal característico desta doença é o elevado número de eosinófilos (acima de 50%) na lavagem broncoalveolar.

SINAIS / SINTOMAS
Investigações
SINAIS / SINTOMAS

Pneumonite após a inalação de um antígeno orgânico.

Os pacientes apresentam-se com infiltrados e uma síndrome semelhante à pneumonia que é clinicamente indistinguível da SDRA caso seja grave.

Diferenciada da SDRA pela história clínica de alérgeno inalado, geralmente de origem aviária.

Corticosteroides podem ser benéficos.[41]

Investigações

Ausência de investigações para diferenciação.

SINAIS / SINTOMAS
Investigações
SINAIS / SINTOMAS

Edema pulmonar agudo após a remoção de uma obstrução das vias aéreas superiores, mais comumente causada por laringoespasmo.

Provoca uma insuficiência respiratória aguda geralmente exigindo ventilação mecânica com níveis variados de pressão expiratória final positiva.

Os aspectos principais para a diferenciação são a história de obstrução das vias aéreas superiores, o desenvolvimento pós-cirúrgico e a rápida reversão dos sintomas.[50]

Investigações

Ausência de investigações para diferenciação.

O uso deste conteúdo está sujeito ao nosso aviso legal