História e exame físico

Principais fatores de diagnóstico

A cólica renal clássica é descrita como uma dor grave e aguda no flanco que irradia para a virilha ipsilateral. No entanto, alguns casos podem não apresentar irradiação, sendo alguns cálculos assintomáticos.

Outros fatores de diagnóstico

Mais de 50% dos pacientes com nefrolitíase apresentam outro episódio em até 10 anos.[37][38]

Normalmente relacionados com episódios agudos.

Conforme os cálculos passam e se alojam no ureter distal ou no túnel intramural, a bexiga pode ficar irritada, o que se manifesta como polaciúria ou urgência urinária.

A hematúria microscópica está presente na urinálise de até 85% a 90% dos casos de nefrolitíase.[1] Raramente, a hematúria macroscópica pode estar presente.

Conforme os cálculos passam pelo ureter, a dor no flanco pode irradiar para a virilha e o testículo, causando dor testicular.

A maior incidência de nefrolitíase está correlacionada ao aumento do índice de massa corporal (IMC) em ambos os sexos.

Pode ser positiva para nefrolitíase em parentes de primeiro grau. Nesse caso, pode sugerir anormalidade metabólica subjacente.

Eventuais medicamentos que podem contribuir na formação de nefrolitíase incluem antiácidos, inibidores de anidrase carbônica, medicamentos que contêm sódio e cálcio, vitaminas C e D e inibidores da protease.[28]

Conforme os cálculos passam pelo ureter, a dor no flanco pode irradiar para a virilha.

Há necessidade de descompressão urgente caso a obstrução urinária seja acompanhada de febre. Pode ser um sinal de cálculos de estruvita, que ocorrem com mais frequência em associação com uma infecção urinária.

Pode indicar urosepse.

Pode indicar urosepse.

Pode ser acentuada na cólica renal aguda.

Fatores de risco

Uma dieta mais calórica contendo mais proteínas pode estar relacionada com maior incidência de cálculos.[1] Isso é secundário à maior prevalência de hiperuricosúria, hipocitratúria e hipercalciúria relacionada com essa dieta.

A maior ingestão de sódio se relaciona com níveis urinários mais altos de sódio e cálcio e com níveis menores de citrato urinário. Isso promove a cristalização de sais de cálcio devido à saturação urinária do urato monossódico e ao aumento do fosfato/oxalato de cálcio. O excesso de sal também pode causar a perda óssea, agravando, assim, a hipercalciúria.

Nos EUA, entre homens, a maior prevalência de nefrolitíase verifica-se entre brancos, seguido por hispânicos, asiáticos e negros.[9] Nos EUA, entre as mulheres, a prevalência é maior entre as brancas e menor entre as asiáticas.[12]

A nefrolitíase tipicamente afeta mais homens adultos que mulheres adultas, com uma razão de homens/mulheres de 2:1 ou 3:1.[8][9][10] No entanto, há evidências de que essa diferença de incidência entre homens e mulheres esteja diminuindo.[22]

A ingestão de líquidos é muito importante e deve ser de pelo menos 2 a 3 litros por dia.[1] Em dois grandes estudos observacionais, constatou-se que a ingestão de líquidos é inversamente proporcional ao risco de formação de nefrolitíase.[23][24] O baixo débito urinário pode produzir uma concentração maior de solutos urinários, causando formação de cálculos.

Dois grandes estudos prospectivos de coortes em homens e mulheres constataram que a prevalência e o risco de incidência de nefrolitíase estavam diretamente correlacionados com peso e índice de massa corporal (IMC) maiores em ambos os sexos, embora a magnitude da correlação seja maior nas mulheres que nos homens.[23][24]

A evidência que relaciona a obesidade com pH da urina baixo e com cálculos de ácido úrico, além da sua relação com a hipercalciúria, pode explicar o risco elevado de cálculos de ácido úrico e/ou cálcio em pacientes obesos.[20]

Os formadores de cálculos (especialmente cálculos de oxalato de cálcio) excretam com frequência mais cristais de oxalato de cálcio na urina. A maior excreção urinária de cristais de cistina, estruvita e ácido úrico também é um fator de risco de formação de cálculos.[1]

A desidratação e a exposição ao calor são fatores de risco de nefrolitíase. Indivíduos expostos a altas temperaturas demonstram menores volumes de urina e pH, maiores níveis de ácido úrico e maior gravidade específica da urina, resultando em maior saturação urinária de ácido úrico e de oxalato de cálcio. Devido a isso, indivíduos expostos a desidratação e calor têm risco elevado de formação de cálculos.[20]

A variação sazonal na nefrolitíase provavelmente está relacionada com a temperatura, tendo em vista a perda de líquidos devido à transpiração. Relata-se que a maior incidência de nefrolitíase ocorre nos meses de verão no hemisfério norte (de julho a setembro), com o pico ocorrendo em 1 a 2 meses de temperaturas médias máximas.[25][26][27]

Nos EUA, a prevalência de nefrolitíase nos estados do sudeste ("stone belt") é quase duas vezes maior que em outras áreas.

Uma história familiar positiva de nefrolitíase se relaciona com risco elevado de formação de cálculos. Os formadores de cálculos têm o dobro de probabilidade em comparação com os não formadores de cálculos de ter um familiar de primeiro grau com história de cálculos. Pacientes com história familiar apresentam maior incidência de recorrência múltipla e precoce de cálculos.[1]

Medicamentos relacionados com aumento do risco de formação de cálculos incluem antiácidos que contêm cálcio, inibidores de anidrase carbônica, medicamentos que contêm sódio e cálcio, e vitaminas C e D. A maioria desses medicamentos causa níveis urinários mais elevados de cálcio, ácido úrico, sódio ou oxalato, estimulando, assim, a formação de cálculos. Outros medicamentos são pouco solúveis com alta excreção urinária, o que favorece a cristalização direta e formação de cálculos na urina. Estes incluem os inibidores da protease (por exemplo, indinavir, atazanavir), efedrina, guaifenesina, triantereno e sulfadiazina.[28] A exposição a antibióticos (sulfas, cefalosporinas, fluoroquinolonas, nitrofurantoína, penicilinas de amplo espectro) está associada ao aumento da probabilidade de nefrolitíase, sendo esta maior quando a exposição é recente e em idade mais jovem.[29]

O uso deste conteúdo está sujeito aos nossos avisos legais