História e exame físico

Principais fatores de diagnóstico

Fatores de risco importantes incluem tabagismo e exposição a infecções.

Pacientes com bronquite aguda normalmente apresentam tosse com duração <30 dias; porém, alguns estudos mostraram que a tosse pode durar por >30 dias em cerca de um quarto dos pacientes.[2] Consequentemente, a bronquite aguda ainda pode estar presente em pacientes com tosse persistente por >1 mês.

A tosse pode ser produtiva com escarro transparente, branco ou com coloração alterada.

A bronquite aguda deve ser diagnosticada somente em pacientes em que problemas respiratórios subjacentes, como asma, tiverem sido excluídos como causas. A principal diferença entre asma e bronquite aguda é a cronicidade do broncoespasmo. Na asma, os broncoespasmos são recorrentes e progressivos.

A bronquite aguda poderá ser diagnosticada uma vez que outras doenças, como pneumonia, insuficiência cardíaca congestiva (ICC) e gotejamento pós-nasal, sejam descartadas como causas. Estertores ao exame físico sugerem pneumonia ou ICC.

Outros fatores de diagnóstico

Febre baixa pode estar presente.

Pode haver sibilância, especialmente na expiração forçada.

Roncos podem estar presentes.

Fatores de risco

Como a bronquite aguda está relacionada a doenças virais e infecções bacterianas atípicas, a exposição é o maior risco para a doença. Ela é responsável pelo aumento sazonal nos meses de inverno e em pacientes expostos a contatos próximos que estão doentes com infecção respiratória.

Apesar de o tabagismo possuir correlação muito clara com a bronquite crônica e com o agravamento da asma, é escassa a quantidade de evidências na população de que o tabagismo aumenta o risco de bronquite aguda. No entanto, por conta da inflamação brônquica subjacente presente nos fumantes, existe a hipótese de que estes apresentam maior probabilidade de manifestar episódios mais graves e precisem buscar ajuda médica ao desenvolverem bronquite aguda.

Há um número limitado de evidências para uma associação entre a poluição doméstica do ar (derivada do uso de combustível sólido doméstico) e o risco de infecção aguda do trato respiratório inferior.[7]

O uso deste conteúdo está sujeito aos nossos avisos legais