Rastreamento

Atualmente, não há necessidade de fazer o rastreamento da infecção pelo vírus da Zika em viajantes não gestantes e assintomáticas que retornam de um país com transmissão em curso.

Gestantes

As recomendações do CDC para a realização de testes em gestantes sintomáticas e assintomáticas são detalhadas abaixo.[168]

Gestantes sintomáticas

  • Recomenda-se fazer exames em todas as gestantes sintomáticas e com possível exposição ao vírus Zika (ou seja, viagem ou residência em áreas com risco de transmissão do vírus por mosquitos ou relação sexual com parceiro que tenha viajado ou resida em tais áreas).

  • Recomenda-se realizar a RT-PCR (amostras de soro e urina pareadas) e o teste sorológico (soro) concomitantemente em gestantes o mais rápido possível, até 12 semanas após o início dos sintomas. Se a RT-PCR for positiva, a infecção é confirmada, embora possa ser necessário realizar outros testes se o resultado de IgM for negativo. Se a RT-PCR e a sorologia forem negativas, o diagnóstico é excluído. Se a RT-PCR for negativa e a sorologia positiva ou inconclusiva, recomenda-se a realização de PRNT. Um resultado de PRNT inferior a 10 descarta o diagnóstico.

  • Deve-se cogitar o teste sorológico após 12 semanas do início dos sintomas. Contudo, um resultado negativo não será suficiente para descartar infecção durante a gestação, pois os níveis de IgM diminuem com o tempo. Um resultado positivo deve ser interpretado levando-se em conta as limitações conhecidas do teste sorológico.

  • Recomenda-se também realizar o exame de anticorpos IgM contra o vírus da dengue em gestantes sintomáticas.

Gestantes assintomáticas

  • Gestantes assintomáticas com possível exposição continuada: recomenda-se realizar a RT-PCR (soro e urina) 3 vezes durante a gestação (por exemplo, na primeira consulta de pré-natal e depois em 2 consultas de pré-natal não consecutivas). Se o resultado for positivo, a infecção é confirmada. Não se recomenda realizar exames adicionais em mulheres que tenham tido um resultado positivo em qualquer momento antes ou durante a gestação atual. Não se recomenda mais a realização do teste de IgM de rotina.

  • Gestantes assintomáticas com possível exposição recente, mas sem possível exposição continuada (por exemplo, viagem ou exposição sexual): não se recomenda realizar os exames como rotina, mas isso pode ser considerado levando em conta cada caso.

Gestantes com possível exposição ao vírus Zika cujos achados da ultrassonografia pré-natal sejam compatíveis com uma infecção congênita pelo vírus Zika devem ser testadas segundo as mesmas recomendações aplicáveis a gestantes sintomáticas. Em caso de amniocentese realizada como parte do atendimento clínico de rotina, deve-se realizar RT-PCR no líquido amniótico, pois um resultado positivo pode indicar infecção fetal. Não se recomendam testes de rotina de tecidos placentários e fetais, mas eles podem ser feitos em casos específicos (por exemplo, mulher sem infecção confirmada por teste laboratorial cujo feto ou bebê exibe possíveis anomalias associadas ao vírus Zika).[168]

O CDC também criou um algoritmo para auxiliar na tomada de decisão clínica sobre exames com base nas recomendações atuais:

Um estudo revelou que a maioria das gestantes assintomáticas testadas nos EUA que haviam viajado ou se mudado de áreas com transmissão ativa do vírus da Zika não tinham infecção pelo vírus da Zika.[191] Um programa de rastreio pré-natal de Zika em grande escala identificou que apenas 0,2% de mulheres grávidas que corriam o risco de infecção, de uma viagem recente a uma área afetada por Zika, se tornou infetada.[192]

O uso deste conteúdo está sujeito aos nossos avisos legais