Monitoramento

O sucesso do tratamento requer o monitoramento frequente dos parâmetros clínicos e laboratoriais para atingir os critérios de remissão. A medição da glicose deve ser repetida a cada 1 a 2 horas, e do potássio sérico a cada 2 a 4 horas. Cálcio sérico, magnésio, fosfato, ureia e creatinina devem ser repetidos a cada 4 a 6 horas, dependendo do quadro clínico do paciente e da resposta à terapia.

Um fluxograma classificando esses achados, assim como o estado mental, sinais vitais, dose de insulina, fluidoterapia e terapia com eletrólitos e débito urinário, permite analisar com facilidade a resposta ao tratamento e remissão de crises.[15]

Os critérios para resolução do EHH incluem normalização da glicose plasmática (<12.2 a 16.7 mmol/L [<250-300 mg/dL]), osmolalidade plasmática efetiva (<315 mmol/kg [<315 mOsm/kg]) e hemodinâmica e estado mental normais.[1]

O uso deste conteúdo está sujeito ao nosso aviso legal