Epidemiologia

Por ano, as crianças têm cerca de 6 a 8 resfriados, e os adultos, de 2 a 4.[2][3][4][5][6] Adultos que têm contato com crianças pegam mais resfriados que os que não têm contato com crianças.[7] Infecções do trato respiratório superior, congestões nasais, queixas da garganta e tosse são responsáveis por 11% das consultas de clínica geral em países ocidentais.[2] O resfriado comum é a doença aguda mais frequente nos EUA, responsável por aproximadamente 37 milhões (3%) das consultas em atendimento ambulatorial anualmente.[8] Um estudo realizado nos EUA revelou que 23.6% dos adultos tiveram algum tipo de resfriado nas 4 semanas anteriores.[9]

Quanto à incidência, não há diferenças importantes em termos de sexo ou etnia. A maioria das infecções ocorre no inverno. Acredita-se também que diferentes vírus possam ser responsáveis pelos resfriados no verão e no inverno.[7] A doença é altamente contagiosa, mas ainda não se sabe qual é a principal forma de disseminação, se pelo contato das mãos, por aerossóis da tosse ou do espirro ou pela contaminação de superfícies por esses aerossóis que então transportam o patógeno infeccioso para as membranas da mucosa bucal (por exemplo ao comer).

A mortalidade/morbidade associada é rara, embora os resfriados comuns sejam responsáveis por um desconforto considerável, absenteísmo escolar e ao trabalho e custos com os cuidados de saúde.[9]

O uso deste conteúdo está sujeito aos nossos avisos legais